1 de junho de 2012

O Que Deve Ser o Governo

Uma Reflexão Sobre Responsabilidade Ética

Monteiro Lobato


O escritor Monteiro Lobato
  

0000000000000000000000000000000000000000000000

Nota Editorial:

A luta pela ética na administração pública
não ocorre só no Brasil, e não começou ontem. Há
milênios, ela tem estado ligada às filosofias de Platão,
Aristóteles, Confúcio, Cícero, Sêneca e tantos outros.  

O padre Antônio Vieira lutou duramente pela ética na
política no Brasil e no Portugal do século 17. Ruy Barbosa,
José do Patrocínio e  outros fizeram o mesmo mais tarde no
Brasil. O escritor Monteiro Lobato (1882-1948) foi um dos
escritores  mais populares do mundo lusófono do século 20,
e o curto e incisivo texto a seguir é oportuno no século 21.

(Carlos Cardoso Aveline)

00000000000000000000000000000000000000000000000000000000



Uma nação é o conjunto organizado das criaturas humanas que habitam um certo território. Para promover a ordem e a justiça essas criaturas delegam poderes a certos indivíduos para a aplicação de uma coisa chamada lei, a qual não passa da vontade coletiva aceita por  consenso unânime. Tais homens constituem o governo. O governo é, pois,  um delegado, uma criatura da Nação. Só esta é soberana, porque só esta é a força e a verdade.

Quando os delegados fogem aos seus deveres e voltam contra a Nação os  aparelhos defensivos que ela lhes entregou para salvaguardar a sua soberania das agressões externas, esse governo deixa de ser governo. Cessa de funcionar legalmente e – ou rei como Luís XVI, ou ministro, ou presidente, ou congresso – deve ser incontinenti varrido por todos os meios, a guilhotina como na França, ou a processo criminal como nas repúblicas livres.

O dever mais elementar dos delegados da Nação é aplicar sensatamente os dinheiros públicos. O povo dá o imposto para receber em troca um certo número de benefícios de caráter geral. Para fiscalizar esse emprego existe a imprensa, plenário onde se ventila o abuso, o qual abuso, competentemente autuado, sobe à Opinião Pública para o julgamento supremo. Se a opinião pública, por vício incurável, não toma as providências do caso, paciência. A imprensa não tem culpa disso. Seu papel limita-se a esclarecer o público.

Assim, todo jornalista, ou todo cidadão, tem o dever de agarrar pela gola os funcionários relapsos, sejam reis ou ministros, e expor os seus crimes na grande montra [vitrine].

000

Reproduzido do livro  “Mundo da Lua e Miscelânea”,  Monteiro Lobato,  Ed. Brasilense, SP, 339 pp., 1968, pp. 106-107.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:  


000