20 de setembro de 2014

Os Teosofistas Podem Reunificar-se?


A Fraternidade Sincera é Melhor
Que Exercícios de Relações Públicas

The Theosophical Movement



0000000000000000000000000000000000000000

Nota Editorial:

O texto a seguir foi publicado pela primeira
vez em março de 2003 pela revista “The
Theosophical Movement”, da Índia, sob o
título “Can Theosophists Reunite?”. Sua
tradução ao português foi publicada inicialmente
na edição de dezembro de 2007 de “O Teosofista”.

(CCA)

0000000000000000000000000000000000000000000000000


Há tentativas sendo feitas hoje para que ocorra uma reunificação dos “teosofistas”. Isso levanta algumas questões fundamentais: “O que produz a unidade? Quem são os teosofistas? O que os separou?”

A verdadeira unidade é impossível se a sua base for buscada neste mundo limitado pelas formas. É no mundo das ideias e dos ideais, da mente e do coração, que a unidade deve ser buscada. Portanto, busquemos a unidade de Ideal e a unidade de Ensinamento.

Os Ideais têm a ver com a vida moral, com nossas mentes (pensamento, memória e antecipação), e com as emoções (afetos e rejeições, sensibilidades e sentimentos). Ninguém, exceto o próprio indivíduo, sabe quais são estes fatores. Mas há algumas grandes ideias que refletem verdades universais e que necessitam ser transformadas em realidades vivas:

1. A unidade da nossa Origem Espiritual, que surge do conceito de um Deus Impessoal [1] deveria produzir tolerância e Fraternidade.

2. Um Corpo de Sabedoria (ou Conhecimento) implica uma fonte comum de Verdade, a partir da qual todos podem receber ajuda e orientação.

3. A Existência de uma Lei do Universo - que “não conhece ódio ou perdão, é totalmente verdadeira, as suas medidas medem, a sua balança impecavelmente pesa, diante dela o Tempo é como um nada, e ela pode julgar amanhã mesmo, ou depois de muitos dias” [2] -; é um fator que deveria levar ao desapego, à generosidade, à harmonia e à concórdia.

A ideia de que o universo evolui como um todo, e de que o progresso de cada um depende do progresso geral de todos, produz não-violência, contentamento com a nossa situação objetiva, e uma inclinação a deixar que os outros tenham o seu lugar correto no esquema geral das coisas. Isto leva à percepção de que o aperfeiçoamento do ser humano é uma possibilidade para cada um de nós, de que este aperfeiçoamento se tornou um fato para aqueles que trabalharam com esta meta no passado. A Loja dos Mestres pode ser encarada como um fato objetivo.

Quem é um teosofista? Uma pessoa que aprecia os três objetivos [3] do Movimento Teosófico tal como foram formulados em 1875 não pode, na realidade, devotar-se a um deles e dar escassa atenção aos outros dois. Se fizer isso, ele penderá demasiado para um lado, assimetricamente. O termo “teosofista”, na verdade, pode ser aplicado não só a um membro ou associado de um grupo ou outro, mas a todos os praticantes da vida Teosófica, ou da Ética divina, e da Filosofia única universal, a Religião de Sabedoria. O verdadeiro estudante de Teosofia se torna, ou é, um ocultista.

O que causou a separação entre organizações de teosofistas? Há muitas razões para este fato, e uma recapitulação ou análise delas deve ter um só propósito - evitar a repetição dos erros. Se a unidade no plano físico é desejada, então ela deve ser antecedida pela unidade nos planos internos, da mente e do coração, e por uma redefinição dos nossos próprios objetivos e metas, que devem estar alinhados com o Impulso original.

Onde se pode encontrar as Linhas estabelecidas pelos grandes fundadores do Movimento Teosófico? Nos escritos e ensinamentos de H. P. Blavatsky, a Mensageira dos Mestres para a era atual. Isso é claro. Será que aqueles chamados “teosofistas” que aceitaram outros indivíduos como seus professores e que ignoram, ou subestimam, H.P. Blavatsky e seus ensinamentos conhecem realmente Teosofia? Quantos deles aceitam o que é falso como verdadeiro, sem verificar as coisas por si mesmos! Isso leva a atitudes parciais e a falsas pretensões, e provoca desunião.

A Unidade tem que ser buscada em questões de princípio; a partir disso, os detalhes externos cuidarão de si mesmos. Se cada um prestar atenção em seu próprio trabalho, suas próprias virtudes, e tentar seriamente reduzir seus verdadeiros erros, a unidade surgirá automaticamente.

Não necessitamos de um número enorme de indivíduos que chamam a si mesmos de “teosofistas” e fingem no plano externo que estão “unidos”. Necessitamos de uma harmonia interna e uma unidade de propósito, de meta e de ensinamento. E isso se alcança através do estudo individual, do discernimento, e do sacrifício.

NOTAS:

[1] “Deus”. A Carta 88 de “Cartas dos Mahatmas” (Ed. Teosófica, dois volumes) afirma que não há nada parecido com “Deus” em nosso universo ou mesmo fora dele, e que o uso desta palavra gera grande confusão. O termo é aceito em teosofia somente como significando a Lei Universal, ou a Natureza Universal. (CCA)

[2] Esta é uma citação do livro oito da obra “A Luz da Ásia”, de Edwin Arnold, Theosophy Company, Los Angeles, 1977, ver pp. 218-219. A passagem também é citada por Robert Crosbie no livro “The Friendly Philosopher”. (CCA)

[3] Os três objetivos do movimento teosófico moderno são: 1) Formar o núcleo de uma Fraternidade Universal da Humanidade, sem distinção de raça, credo, sexo, casta ou cor; 2) O estudo de religiões, filosofias e ciências antigas e modernas, e a demonstração da importância de tal estudo; e 3) A pesquisa sobre as leis inexplicadas da Natureza e os poderes psíquicos latentes no homem. (CCA)

000

Em setembro de 2016, depois de cuidadosa análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu formar a Loja Independente de Teosofistas, que tem como uma das suas prioridades a construção de um futuro melhor nas diversas dimensões da vida.

000 

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000