29 de setembro de 2016

Um Segredo do Trabalho Teosófico

Alguns Fatores Decisivos Para a
Vitória de um Esforço Humanitário
  
Carlos Cardoso Aveline

  

Para trilhar o caminho da sabedoria, é preciso ter acesso em primeiro lugar a um ensinamento que pode ser verificado como sendo autêntico, verdadeiro, e universal.

E embora este ponto seja indispensável, não é suficiente. É preciso também examinar como abordamos o ensinamento. O segundo item estabelece que o caminho deve ser olhado simultaneamente desde vários ângulos. O ponto de vista contemplativo deve estar lado a lado com a perspectiva intelectual, e com o ponto de vista vivencial ou prático, entre outros.  

Há ainda um terceiro segredo básico da caminhada. E ele está na harmonia consciente, respeitosa, entre as almas e os esforços daqueles que decidiram fazer o trajeto.

Este fator é tão fácil de esquecer que a razão pela qual ele tem importância decisiva merece ser analisada. Por que motivo ele constitui uma chave secreta para o progresso, individual e coletivo?

Há uma lei inevitável segundo a qual, em teosofia, quando um peregrino erra, é como se todos os seus colegas errassem, em parte. E cada vez que alguém desenvolve uma ação correta, é como se todos fizessem o mesmo, até certo ponto.

Os peregrinos fazem parte do mesmo campo magnético. A competição ilude os ignorantes: a verdadeira inteligência é de natureza altruísta e espiritual. 

Devido a este fato concreto, um dos lemas da Loja Independente de Teosofistas é precisamente, “Um por todos, e todos por um”. A lei da vida é a lei da ajuda mútua. Vemos uma excelente expressão desta realidade teosoficamente inexorável no volume “Cartas dos Mestres de Sabedoria”.

Ali, um Mahatma explica:

“Um grupo de estudantes das Doutrinas Esotéricas que queira obter qualquer proveito espiritual deve estar em perfeita harmonia e unidade de pensamento. Cada um, individual e coletivamente, deve ser, no mínimo, totalmente altruísta, gentil e pleno de boa vontade em relação a cada um dos outros, para não falar da humanidade; não deve haver espírito de facção em meio ao grupo, nem maledicência, má-vontade, inveja ou ciúmes, desprezo ou cólera. O que fere um deve ferir o outro - aquilo que alegra ‘A’ deve encher ‘B’ de prazer.” [1]

Em uma das cartas de Helena Blavatsky para Alfred P. Sinnett, encontramos as seguintes palavras:

“Um grupo ou loja, mesmo sendo pequeno, não pode ser uma Sociedade teosófica a menos que todos os membros dele estejam ligados magneticamente entre si pela mesma maneira de pensar, pelo menos em alguma direção comum (...).” [2]

Disso podemos deduzir que o caráter teosófico de um grupo não é determinado apenas pelo fato de que ele estuda temas nominalmente teosóficos.

A atmosfera eficaz é construída quando os seus integrantes estão unidos, no plano magnético, por olharem na mesma direção elevada. Este processo corresponde ao critério da afinidade seguido pela Loja Independente.[3]

Além de definir o magnetismo do grupo, a intenção compartilhada de agir com altruísmo cria um processo de sinergia pelo qual a diversidade e o contraste externos produzem unidade interna e comunhão. A provação prepara a bem-aventurança.

Portanto, sempre que um grupo de estudantes de filosofia trabalha com um ensinamento autêntico e verdadeiro, deve ser construída uma ponte dinâmica entre o ensinamento e a vida diária. É neste contexto, e na medida em que forem construídos laços sinceros de ajuda mútua entre os estudantes, que ocorrerá um progresso durável. 

Haverá então um aprendizado pacífico e harmonioso, cujo alicerce inclui a firmeza, a franqueza, e a vigilância. Nestas condições a rotina da ignorância organizada nunca pode predominar por completo, e a arte de viver corretamente encontra atmosfera favorável para que floresça.

NOTAS:

[1] Veja o item III da Carta 3, na primeira série de cartas, no volume “Cartas dos Mestres de Sabedoria”, Editora Teosófica, Brasília, pp. 24-25.

[2] “The Letters of H. P. Blavatsky to A.P. Sinnett”, Theosophical University Press, Pasadena, 1973, 404 pp., ver p. 222. Veja mais abaixo o fac-símile do manuscrito de Helena Blavatsky, com as palavras citadas.

[3] Leia em nossos websites associados o artigo “Os Três Tipos de Associados”.

000


Fac-símile do original manuscrito por HPB com as palavras citadas no texto “Um Segredo do Trabalho Teosófico”.

A imagem foi adquirida junto ao Museu Britânico por “The Aquarian Theosophist” e publicado na obra “The Fire and Light of Theosophical Literature” (à p. 191). Transcrição literal:

“… a group or branch, however small, cannot be a theosophical Society - unless all the members in it are magnetically bound to each other, by the same way of thinking at least in some one direction…”.

000

Em setembro de 2016, depois de cuidadosa análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu formar a Loja Independente de Teosofistas, que tem como uma das suas prioridades a construção de um futuro melhor nas diversas dimensões da vida.

000 

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000