10 de novembro de 2014

Plutão: Dois Mil Anos de Luta Até 2023

Em Capricórnio Até 2023, Plutão Rompe
Rotinas e Traz Sabedoria à Transição Planetária

Carlos Cardoso Aveline

Plutão e sua lua Caronte




“... Uma nova aliança, não da
letra, mas do espírito, porque a
letra mata, mas o espírito vivifica.”

( 2 Coríntios, 3:6 )



Como compreender melhor as fortes mudanças psicológicas, sociais e planetárias que a humanidade está atravessando? Talvez o primeiro passo seja observar criticamente o ponto de vista a partir do qual olhamos para a realidade.

Na sua obra “A Voz do Silêncio”, H. P. Blavatsky mostra a oposição entre a “doutrina do olho”, o ponto de vista das aparências, e a “doutrina do coração” - o ponto de vista da essência e da sabedoria. Ao longo da história humana, tem havido sempre uma relação de luta entre forma e conteúdo, casca externa e vida interior, percepção exotérica e compreensão esotérica.

O conflito constante entre aparência e realidade pode ser observado na história do pensamento filosófico e religioso, tanto em grande escala como nos pequenos acontecimentos. Forma e conteúdo se misturam, tanto na consciência de cada indivíduo como coletivamente. O movimento teosófico e esotérico está longe de ser uma exceção à regra.

Alguns estudantes que acompanham o trabalho do e-grupo SerAtento estão conscientes dos elementos em comum que os setores independentes e não-burocratizados do movimento teosófico moderno têm com o velho cristianismo primitivo.

O cristianismo dos primeiros séculos não possuía instituições formais e burocracias. Foi na idade média que o Vaticano montou o cristianismo imperial e ritualista. Na história do movimento teosófico, ocorreu algo semelhante. Foi depois da fase pioneira que surgiu, a partir de Adyar, o processo de “autoridade” e crença cega; mas há setores do movimento que mantêm a proposta original, e entre eles está a Loja Independente de Teosofistas.

No Oriente Médio, a relação entre Jesus e as burocracias sacerdotais do seu tempo foi de confronto, do mesmo modo como H. P. Blavatsky confrontou e foi confrontada pelas burocracias eclesiásticas do século 19. 

Para a filosofia esotérica, a vida real de Jesus foi bastante diferente da narrativa simbólica feita pelos evangelhos.

Ao falar do verdadeiro Jehoshua - o Jehoshua histórico - a teosofia traz dados e informações do Talmude judaico. Em sua obra “Ísis Sem Véu”, H. P. Blavatsky mostra que a perseguição de Jesus (não por todo o povo, mas pela seita dos fariseus) se deveu à sua postura universalista e inter-religiosa, ou seja, teosófica. Citando como fontes o “Sefer Toldos” do Talmude e também o autor Eliphas Levi, H. P. B. afirma:

“(.....) O mesmo talmudista diz, mais adiante, em essência, o seguinte: Jesus foi lançado à prisão e ali permaneceu por quarenta dias; depois foi flagelado como um rebelde sedicioso; depois apedrejado como blasfemador numa praça chamada Lud e finalmente crucificado. ‘Tudo isso’ - explica Levi - ‘porque revelou ao povo as verdades que eles [os fariseus] queriam guardadas para seu próprio uso. Ele havia adivinhado a teologia oculta de Israel, a havia comparado com a sabedoria do Egito, e havia deduzido a necessidade de uma síntese religiosa universal’.” [1]

Ou seja, a tradição da sabedoria universal é não-sacerdotal e não-burocratizada. Ela tem se mantido longe da ação das castas sacerdotais convencionais, que se apresentam como se fossem proprietárias do conhecimento divino e “intermediárias” entre a sabedoria divina e a população desinformada.

A verdadeira teosofia tem, pois, traços essenciais em comum com o cristianismo primitivo (e com a sabedoria interna das outras religiões e filosofias). Do mesmo modo, a pseudoteosofia burocratizada e ritualista de Adyar possui um estilo de atuação semelhante ao do cristianismo convencional do Vaticano e ao estilo das cascas burocratizadas de outras religiões.

Na transição mundial em que vivemos, o carma humano muda rapidamente. Há agora na luz astral uma energia sutil que favorece a ruptura de cascas falsas e de estruturas limitadoras da verdade. Isto é especialmente verdadeiro desde 2008, e continuará assim até o ano de 2023, porque neste período o planeta Plutão estará em trânsito pelo signo de Capricórnio. Este fator provoca uma purificação que abre caminho para os novos tempos de consciência mental pura, elevada, ampliada e clara, características da era de Aquário. 

Quando houve a passagem mais recente de Plutão por Capricórnio?

Ela ocorreu às vésperas da revolução norte-americana (1776) e da revolução francesa (1789-1793). Foi o momento de emergência dos direitos humanos e o início da transição para a era de Aquário. Já o ponto central da transição para Aquário foi o ano de 1900, segundo indicado por H. P. Blavatsky. A culminação da transição entre a era de Peixes e a era de Aquário ocorreu em 2007-2008.

A transição ou “lusco-fusco” entre as duas eras é de 215 anos, ou dez por cento da duração de uma era. Há 215 anos entre 1793 e 2007-2008, sendo o ano de 1900 o ponto central.

O trabalho de Plutão até 2023 é um dos elementos que completam mais uma etapa da transição e do alvorecer de uma nova consciência. 

Terminada a mudança de era (1793-2008), é hora de “arrumar a casa”. A tarefa inclui alterações na relação ecológica e geológica entre o ser humano e o planeta. Plutão está associado ao carma do passado, à transmutação, à morte do que é velho e já não serve à vida.

Astrologicamente, este pequeno planeta rege a esfera subterrânea da Terra. Plutão está ligado, portanto, aos terremotos e ao excesso de CO2 na atmosfera, provocado pelo uso antinatural de combustíveis fósseis. Tanto física como psicológica e espiritualmente, esse misterioso planeta provoca a transmutação total, súbita, e não sem violência, quando acontece nos planos densos da realidade. Plutão traz a transição criativa, surpreendente, em direção à Vida Maior. Ele atua, naturalmente, conforme o carma acumulado pelos humanos. Sua ação está intimamente ligada e é complementar à influência dos outros planetas “galáticos” do nosso sistema solar, os seus “irmãos” Netuno, o corregente de Peixes, a era que terminou recentemente, e Urano, o corregente da era de Aquário, que já começou. [2]

Plutão aponta, também, para a cura e o renascimento.

No plano do movimento teosófico, o período até 2023 e 2025 é uma oportunidade única para que se rompa com as cascas burocráticas ilegítimas e as crostas de ilusões e crença cega.

O mesmo ocorre na vida de cada pessoa: é um momento para renovar e renascer. Ficar interiormente estacionado é impossível. Em compensação, existe como nunca antes a possibilidade viva de estabelecer “uma nova aliança, não da letra, mas do espírito, porque a letra mata, mas o espírito vivifica” (2 Coríntios, 3:6). Assim poderá surgir a era da sabedoria aquariana, em que o sonho pisciano da fraternidade universal começará a ser parte da realidade concreta.

NOTAS:

[1] “Ísis Sem Véu”, H.P. Blavatsky, Ed. Pensamento, edição em quatro volumes, ver volume III, p. 178. Ver também página 202, volume II, “Isis Unveiled”, Theosophy Co., Los Angeles.

[2] Há uma relação matemática curiosamente harmônica entre os ciclos dos três planetas, que trazem energia da galáxia para nosso sistema solar, complementando a função do sol. 

000

Uma versão inicial do texto acima foi publicada anonimamente na edição de junho de 2008 de “O Teosofista”.

Veja também os textos “O Lado Luminoso de Saturno”, “Urano e a Civilização da Solidariedade” e “Netuno, Um Mistério Diante de Nós”. Os três artigos são de Carlos Cardoso Aveline e estão disponíveis em nossos seus websites associados. 

000

Em setembro de 2016, depois de cuidadosa análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu formar a Loja Independente de Teosofistas, que tem como uma das suas prioridades a construção de um futuro melhor nas diversas dimensões da vida.

000 

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000