18 de julho de 2017

A Agricultura do Espírito

Teosofia Ensina a Plantar
Ideias Novas em Lugares Limpos

Joana Maria Pinho




A vida simples que muitos ouvem seus pais e avós descreverem enquanto partilham momentos de família parece, por vezes, estar distante do tempo atual.

Porém poucas gerações nos separam da época em que a vida, apesar de apresentar dificuldades, tinha um ritmo humano e natural. A Terra e os mais velhos eram respeitados. O trabalho trazia valor. A disciplina era uma aliada da educação e do progresso.

Os indivíduos estavam mais próximos do ciclo solar e orientavam suas vidas não só pelo mapa da Terra, mas também pelo mapa do céu. As pessoas viviam o tempo, e o tempo não corria à sua frente como parece ocorrer atualmente em grande número de casos.

Hoje vive-se ao ritmo das máquinas, e a ditadura consumista está presente um pouco por todo o mundo. Produz-se e consome-se a um ritmo demasiado rápido. Este é o tempo dos bens e das relações descartáveis.

Apesar de existirem homens e mulheres que moldam sua personalidade conforme os acontecimentos externos, um número expressivo de indivíduos faz da verdade uma força que comanda suas vidas.

Carlos escreveu:

“O nosso dever é construir solidariamente uma cultura em que a sinceridade possa ser tolerada.”[1]

Uma vida simples abre espaço para que essa construção se expanda. A calma é fonte de entendimento e de comunhão com a verdade. À medida que avançamos no cultivo da tranquilidade, o autocontrole, o autoconhecimento e o autorrespeito amadurecem como frutos do esforço.

A mãe Terra alimenta nossos corpos físicos e dá-nos abrigo. Tudo o que precisamos no nível físico da existência é produzido por ela em conjunto com a vasta comunidade de seres minerais, vegetais, animais e humanos que a habitam. Os astros e as inteligências divinas auxiliam o processo de plantio e colheita. Assim como a Terra é um imenso ecossistema composto de diversos e pequenos ecossistemas, podemos vê-la como parte de um ecossistema ainda maior, o ecossistema universal.

O planeta alberga uma humanidade complexa e cada vez mais numerosa. Há muito que se estuda a capacidade de a Terra gerar alimento e recursos suficientes para satisfazer toda população. É hora de os indivíduos de boa vontade fortalecerem o altruísmo. Concentrando mente e coração naquilo que é correto, criamos soluções para os desafios presentes. 

A generosidade rege a existência. Enquanto o ser humano respeitar o planeta e a Vida, enquanto ele se guiar pela simplicidade, pela partilha e ajuda mútua, não faltará aos indivíduos o que eles necessitam para viver dignamente.

O problema não está na Terra, assim como o mal não está no Universo, mas surge do egoísmo. Um Mahatma escreveu:

“O verdadeiro mal surge da inteligência humana e sua origem está inteiramente no homem que raciocina e que se dissocia da Natureza. Só a humanidade, portanto, é a verdadeira fonte do mal. O mal é o exagero do bem, produto do egoísmo e da ganância humanos.” [2]

As sociedades estão muito focadas no crescimento econômico e material e pouco concentradas no desenvolvimento espiritual dos indivíduos. Isso é visível na dinâmica familiar de grande parte das famílias. Nada de material pode faltar às crianças. Dá-se tudo e mais alguma coisa, como se a felicidade das crianças dependesse do consumo de bens. Com isso os adultos tentam que os objetos façam o papel que eles próprios devem cumprir: acompanhar as crianças, e estimular nelas o melhor.

Precisamos educar e ser educados acima de tudo para a vida, e isso significa aprender e participar da agricultura do espírito. “Não só de pão vive o homem” (Mt 4: 4). É necessário despertar para a vida interior e para as necessidades espirituais do ser humano.

Farias Brito explica:

“…O conhecimento está para o espírito, como a nutrição para o corpo. (…) Há, pois, um pão do corpo e um pão espiritual. (…) Devemos trabalhar pelo conhecimento, pois é pelo conhecimento que o espírito se conserva e desenvolve.” [3]

O conhecimento sobre o qual Brito escreve é o saber alcançado pelo amor à verdade. O ser humano cresce em sabedoria caminhando com ética pela Terra ao mesmo tempo que eleva a consciência até o infinito. Para que a alma se expanda, precisamos nutri-la. O alimento para o corpo é produzido na Terra, enquanto o alimento da alma se cultiva no Céu, símbolo do eu superior.

As almas infantis esperam que alguém as alimente, já as almas maduras plantam e colhem seu próprio alimento.

“Luz no Caminho” ensina:

“O homem que quiser viver e agir na vida superior não pode ser alimentado com uma colher, como um bebê. Deve alimentar-se por si mesmo.” [4]

Mais do que alimentar a si mesmos, os agricultores do espírito alimentam o mundo, seguindo o conselho dado em “Luz no Caminho”:

“Não desejes plantar sementes para a tua própria colheita; deseja apenas plantar para que surjam frutos que alimentem o mundo. Tu és parte do mundo; ao alimentares o mundo, tu te alimentas.”[5]

O cultivo do espírito dá-se no território do autoesquecimento e da impessoalidade.

Os estudantes de teosofia que se esforçam por vivenciar os ensinamentos são alquimistas da natureza humana e agricultores do espírito. Os Mestres de Sabedoria dão indicações preciosas sobre o tema, entre as quais destaco as seguintes:

* “Ideias novas têm de ser plantadas em lugares limpos (….).” [6]

* “…O dever do teosofista é como o do agricultor; abrir os sulcos e semear os seus grãos da melhor maneira possível: o resto é com a natureza, e ela é a escrava da Lei”. [7]

* “Semeie grãos saudáveis e escolha seu solo, e o futuro o recompensará com colheitas inesperadas. Tenha fé, meu Irmão, e quando menos esperar seus olhos podem abrir-se para uma visão tão gloriosa que deslumbraria qualquer mortal comum.” [8]

* “Você criou felicidade, e felicidade será criada para você. A semente crescerá e florescerá e, sob a sombra benéfica do arbusto celeste plantado por suas próprias mãos, você mesmo sentará um dia (…).” [9]

* “…Doces serão os frutos da planta celeste da Compaixão e da Caridade.” [10]

* “…Um grão produzirá uma enorme quantidade na hora da colheita.” [11]

Sabemos das vantagens da agricultura biológica. Frutas e verduras livres de pesticidas químicos são fonte de saúde. Também na agricultura do espírito deve ser deixado de lado o uso de qualquer tipo de veneno, como a vaidade, a inveja, entre outros.

No cultivo que respeita a vida, as pragas agrícolas são combatidas usando métodos naturais e que preservam o meio ambiente. Assim, para se combater a ignorância deve ser usado o conhecimento, e ao orgulho pode-se aplicar a humildade.

Na ausência de atenção, a erva daninha do egoísmo pode invadir  até as plantações mais produtivas. Devemos arrancar essa erva pela raiz, com cuidado para que não caiam sementes na terra. “Luz no Caminho” ensina:

“Não vivas no presente nem no futuro, mas no eterno. Esta erva daninha gigantesca [do egoísmo] não pode florescer lá; a sua mancha na existência é eliminada pela atmosfera do pensamento eterno.” [12]

Há muito por pesquisar sobre a sabedoria milenar do cultivo da virtude. A vida de cada estudante é um laboratório alquímico. Sua existência, quando vivida como um terreno fértil de gratidão e de compromisso com o eu superior, gera a experiência necessária para que se cultive com responsabilidade o altruísmo.

Não vale a pena deixar para amanhã o que pode ser feito hoje. Plantar o bem hoje e sempre é fonte de paz. O plantio da sabedoria traz a vitória da Luz. 

NOTAS:

[1] Do texto “As Palavras Verdadeiras”, de Carlos Cardoso Aveline, que está disponível em nossos websites associados.

[2] Palavras de um Mahatma citadas no texto “A Vida Toda é Bela”, de Carlos Cardoso Aveline. Publicado em nossos websites.

[3] “Ensaio Sobre o Conhecimento”, texto de Farias Brito, p. 16. Veja em nossos websites.

[4] “Luz no Caminho”, de M.C.; tradução, notas e prólogo de Carlos Cardoso Aveline, The Aquarian Theosophist, 2014, 85 pp., p. 40.

[5] “Luz no Caminho”, de M.C., The Aquarian,  p. 83.

[6] “Cartas dos Mahatmas”, Ed. Teosófica, Brasília,  vol. I, Carta 12, p. 87.

[7] “Cartas dos Mahatmas”, vol. II, Carta 111, pp. 206-207.

[8] “Cartas dos Mestres de Sabedoria”, Ed. Teosófica, Brasília, segunda série, Carta 10, p. 181.

[9] “Cartas dos Mestres de Sabedoria”, Ed. Teosófica, Brasília, segunda série, Carta 7, p. 175.

[10] “Cartas dos Mestres de Sabedoria”, Ed. Teosófica, Brasília,  segunda série, Carta 14, p. 186.

[11] “Cartas dos Mestres de Sabedoria”, Ed. Teosófica, Brasília, segunda série, Carta 11, p. 183.

[12] “Luz no Caminho”, de M.C., The Aquarian Theosophist, p. 21.

000

Veja também, em nossos websites associados, o artigo “Raja Ioga na Parábola do Semeador”, de Carlos Cardoso Aveline.

000

Em setembro de 2016, depois de uma análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu formar a Loja Independente de Teosofistas. Duas das prioridades da LIT são tirar lições práticas do passado e construir um futuro saudável

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:


000