24 de março de 2013

Quatro Etapas Quase Simultâneas

Alguns Aspectos da Caminhada Espiritual

Carlos Cardoso Aveline




Parece haver quatro momentos ou aspectos na caminhada espiritual; e eles são, em parte, simultâneos.

Quando o indivíduo descobre o seu potencial sagrado e tem uma primeira visão do seu verdadeiro eu, ele se encontra com a essência da sabedoria divina. Ele tem um vislumbre da filosofia esotérica e olha no espelho mágico do seu desenvolvimento futuro. É o primeiro momento da caminhada.

Então surge a segunda etapa, e o mundo externo perde o interesse para ele. O cidadão pensa:

“Quanto mais eu percebo o aspecto imortal e profundo do meu próprio ser e do universo, mais fica sem vida e sem sentido o mundo externo convencional.”

Como consequência da tensão criadora provocada por este dilema, o aprendiz chega a um terceiro momento. Agora ele passa a reduzir, gradualmente, sua relação com o mundo externo. Neste processo ele pratica a renúncia e a simplicidade. Esta é uma consequência natural da sensação anterior de “perda de sentido” do mundo exterior.

O estudante simplifica sua vida externa pouco a pouco. Ele aprende a aproveitar as oportunidades de simplicidade que a vida sempre punha a seu redor, mas que raramente reconhecia. Na verdade, ele passa a “ver” as oportunidades porque agora está preparado para aceitar a simplicidade. Ele aceita o ato de “parecer nada aos olhos dos outros”. Ele percebe que a busca de aplauso ou medo da reprovação de outras pessoas já é uma ilusão desnecessária.

Finalmente, surge a quarta etapa. Agora o mundo externo ganha um novo sentido diante dele. A sua presença ativa no mundo se expande outra vez. Desta vez, porém, isso ocorre seletivamente, com base na simplicidade e a partir da sua consciência autêntica e interior.

Estes quatro momentos são aparentemente sucessivos. Primeiro, uma visão clara do seu potencial divino. Depois, uma sensação de “perda de sentido” dos velhos compromissos com o mundo externo. Em seguida, uma simplificação, passo a passo, da sua vida externa e pessoal. E finalmente, surgem um novo sentido para a vida e um impulso renovado para estar presente no mundo com força e criatividade.

Há uma certa simultaneidade nas quatro etapas. Os diferentes momentos existem ao mesmo tempo. O que se desdobra sucessivamente é a predominância de um e de outro.

É preciso avançar em cada um dos quatro fatores, incessantemente, ao longo da caminhada teosófica. Há um esvaziamento gradual do que é externo, e uma intensidade crescente do que é interior.

Isso não ocorre sem crises.

É a intensidade e a profundidade do primeiro momento de despertar e da visão do potencial sagrado que dão a força e a confiança para que o indivíduo atravesse o segundo e o terceiro momentos, isto é, a sensação de perda de sentido do mundo externo e a simplificação prática da vida pessoal. Isso permite chegar ao quarto momento, a volta da primavera, que traz um novo tipo de motivação e entusiasmo.

Em alguns casos, a pessoa que está na primeira etapa pode achar que as etapas dois e três são muito difíceis. Quando isso ocorre, o estudante deve concentrar-se decididamente na primeira etapa, do estudo e da visão. Chegará o momento em que a percepção do potencial sagrado irá “descer” sobre vida diária tão naturalmente como um orvalho. Uma visão clara da teosofia deve anteceder, até certo ponto, a ação correta; e toda visão correta requer estudo e reflexão. 

000

O texto acima foi publicado pela primeira vez sem indicação de nome de autor na edição de junho de 2008 de “O Teosofista”.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000