11 de maio de 2013

Plágio é uma Falta de Autorrespeito

O Uso Indevido de Textos Alheios Indica
Ausência de Respeito Por Si Mesmo e Pelo Leitor

Evaldo Berwig



A teosofia original indica que não temos o direito de condenar os outros, entretanto é nosso dever, quando a situação exige, condenar a ação e as condutas erradas.

É através do conflito de ideias que os acontecimentos diários criam oportunidades para desenvolvermos o discernimento perante as diversas situações em nossas vidas. Aproveitar melhor estas oportunidades faz parte do crescimento individual. É o autoconhecimento pelo discernimento que desenvolve a espiritualidade superior, e o tempo é um importante aliado na busca de esclarecimentos.

A Verdade tem em suas fontes a garantia do material divulgado e reproduzido, que deve ser preservado para que o processo conserve a sua autenticidade e fidelidade ao longo dos tempos.

Desde quando iniciei a divulgação e propagação da teosofia original, verifico o constante aumento da reprodução de textos dos nossos websites. Em grande número de casos, a reprodução é feita de modo honesto e correto. Tenho presenciado também outros tipos de reprodução e cópia de textos, desde o aparente esquecimento do nome do autor, a falta da citação da fonte de origem dos textos, a troca deslavada da autoria e o uso do texto em benefício de blogues pessoais.

Assim como em outros casos, o plágio, a adulteração e a utilização indevida dos textos que compõem o amplo acervo de nossos websites associados são considerados formas de roubo. É bem clara a política editorial destes websites: os textos podem ser reproduzidos desde que seja citada a fonte.

A ocultação das fontes de pesquisa indica a presença de um editor desinformado sobre a vida. O desrespeito pelas fontes produz carma negativo e perda de credibilidade, mas a atitude ética sempre tem bons frutos. Más intenções em benefício próprio estão entre as causas da ocultação das fontes de autoria. Quem faz isso cria um mau futuro para si mesmo. O egocentrismo e a ignorância do fato de que vale a pena ser ético, e de que a prática do roubo não beneficia o ladrão, devem ser superados. Especialmente quando se trata de textos filosóficos, teosóficos, e sobre a arte de viver corretamente. Respeitar as fontes do material e da pesquisa é fundamental na busca do conhecimento e da Verdade.

Sônia Vasconcelos esclareceu:

“Quando um autor escreve uma determinada sequência de palavras ou frases expressando uma determinada ideia, esse autor, de fato, é dono de tais construções e ideias. Portanto, a utilização de tais palavras sem a devida atribuição ao autor se configura roubo.” [1]

O respeito pelo trabalho alheio é algo bom e necessário. A compreensão e a evolução positiva deste fato elementar levam ao abandono da prática do contrabando de textos alheios.

Como disse um colega do e-grupo SerAtento, “Apropriar-se indevidamente de textos alheios é uma falta de respeito por si próprio. Além disso, o leitor merece saber de onde vem aquilo que lê.”

NOTA:

[1] VASCONCELOS, Sônia M. R. O plágio na comunidade científica: questões culturais e linguísticas. Ciência e Cultura [online], v. 59, n. 3, 2007, pp. 4-5.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000