15 de janeiro de 2016

O Mestre Diz Adeus a Besant

Annie Besant Fez Todos os Erros Contra
Os Quais Foi Advertida Pela Carta de 1900

Carlos Cardoso Aveline

Uma paisagem dos Himalaias, em quadro de N. Roerich


0000000000000000000000000000000000000000000000000

 O texto a seguir traz elementos para um estudo
amplo sobre como ocorre a verdadeira aprendizagem
espiritual. Os erros e lições que ele aborda são, essencialmente,
universais e não pertencem apenas ao movimento teosófico.

00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000


A Carta de 1900 foi a última carta recebida de um Mestre dos Himalaias e merece um estudo cuidadoso.

Dirigido a Annie Besant, o documento contém advertências sobre os vários erros que ela deveria evitar no futuro, especialmente como líder da escola esotérica. Besant preferiu não evitar tais erros, mas, ao contrário, cometeu-os todos. No século 21, a mensagem da Carta de 1900 pode ser devidamente compreendida e aceita pelo movimento teosófico em seu conjunto.

Em 1900 Annie Besant já havia abandonado o plano de trabalho dos Mestres e navegava nas águas da ilusão pelo menos desde 1894. Por outro lado, o texto foi escrito por alguém que podia ver o futuro do movimento e deveria saber sem qualquer esforço que Annie Besant não seguiria os conselhos dados ali. Por que motivo, então, a carta foi mandada? 

O conteúdo do documento e o contexto geral da correspondência entre Mahatmas e discípulos leigos mostram que havia diversas razões para que este “último aviso” fosse dado, protocolarmente, naquela forma, e naquele momento.

Embora Besant estivesse afastada dos Mestres do ponto de vista de foco e de afinidade, os Adeptos não estavam afastados do movimento. Interessava a eles reduzir, tanto quanto possível, a destruição ética do movimento nas décadas seguintes. Era sua meta deixar indícios, documentos e “pegadas” que fossem úteis no tempo certo para a reconstrução do esforço teosófico com base na sua concepção original.   

A carta de 1900 era uma última chance protocolar a Annie Besant e, ao mesmo tempo, o documento deixava implicitamente claro que o carma seria dela se as advertências do mestre não fossem levadas em conta. De modo discreto mas peremptório, o Mahatma recomenda a  Besant no texto que interrompa as especulações irresponsáveis sobre o “renascimento prematuro de Helena P. Blavatsky”. Se não fossem abandonadas, tais especulações perturbariam o processo de pós-morte de HPB além do que o carma permitia. 

A Carta também define, reforça e destaca os elementos centrais da pedagogia oculta dos Mahatmas.

O caráter profético da Carta de 1900 fica especialmente claro nos trechos do documento que foram omitidos por C. Jinarajadasa na sua edição de “Cartas dos Mestres de Sabedoria”.

Jinarajadasa optou por não destruir o documento e tampouco tornou totalmente ilegíveis as partes específicas que omitiu: a carta estava destinada a ter o seu texto resgatado na íntegra, no momento certo, para uso e estudo das gerações posteriores de teosofistas. Em 1987, o seu texto completo foi recuperado e publicado por Emmet Small, um teosofista e editor independente que visitava os arquivos de Adyar.    

O texto integral da Carta discute e descreve o modo exato como ocorre a aprendizagem espiritual e tem valor indiscutivelmente decisivo para o movimento esotérico como um todo. Suas ideias são coerentes com a perspectiva seguida pelos estudantes de HPB e dos Mestres, e pela Loja Independente de Teosofistas.

Alguns estudantes ficam impressionados ao ver que Annie Besant e seus seguidores fizeram, ponto a ponto, exatamente o oposto do que a carta sugere.

E eles perguntam, com razão:

“Como é possível um tamanho absurdo? E por que os Mestres permitiram isso?”

A explicação está no fato pedagógico de que os Mestres respeitam a autonomia de todos. Eles jamais impõem a sua vontade a alguém. Cada aprendiz deve avançar por mérito próprio - ou perder o rumo. A obediência cega não faz parte da pedagogia esotérica. Annie Besant foi avisada e preferiu a busca do poder pessoal, deixando de lado o respeito pela ética e pela verdade. O carma dessa opção não é dos Mestres.

A seguir, reproduzimos trecho por trecho da versão integral da Carta de 1900, comparando-os com as ações de Annie Besant e seus seguidores.[1]

Cada frase da Carta está em negrito. As palavras omitidas por Jinarajadasa estão, além disso, sublinhadas

1) “Um sensitivo e praticante de pranayama que se deixou confundir pelas fantasias dos membros. A S.T. e seus membros estão lentamente fabricando um credo. Diz um provérbio tibetano, ‘credulidade gera credulidade e termina em hipocrisia’. Muito poucos são aqueles que podem saber qualquer coisa a nosso respeito. Deveríamos ser venerados e idolatrados? A adoração de uma nova Trindade, constituída pelo abençoado M., por Upasika e por você mesma, irá substituir as crenças denunciadas? Nós não pedimos que haja uma adoração de nós mesmos.

O texto do Mestre não poderia ser mais claro ou mais enfático. Apesar disso, desde 1900, a Sociedade Teosófica de Adyar foi transformada por Besant em uma seita semicristã, com uma maçonaria própria, uma igreja católica com seus bispos e sacerdotes, e mesmo um novo Cristo. As religiões dogmáticas deixaram de ser criticadas. A liberdade de pensamento foi mantida como uma fachada para atrair o público. Os Mestres foram transformados em meros objetos de adoração emocional. Mestres imaginários foram fabricados, com seus retratos igualmente destituídos de valor.

2)O discípulo não deve ser acorrentado de modo algum.  Tenha cuidado para evitar um Papado Teosófico.

Annie Besant fez exatamente o que o autor da carta disse que ela não deveria fazer. Ela criou a ilusão de que os líderes da Sociedade Teosófica de Adyar eram clarividentes, de que podiam consultar os Mestres a qualquer momento, e de que, deste modo, podiam evitar quaisquer erros. Assim, ela era tão “infalível” como o Papa do Vaticano. O “resultado lógico” de tal infalibilidade era que todos deveriam obedecer a Annie Besant. Assim surgiu um “papado esotérico” com sua “sucessão apostólica”.      

3) “O intenso desejo de alguns de ver Upasika reencarnada imediatamente criou uma ideação Mayávica deturpadora. Upasika tem trabalho útil a fazer nos planos superiores e não pode retornar tão breve. A S.T. deve ser conduzida com segurança ao novo século.”

Annie Besant havia começado a criar uma expectativa coletiva de que H.P. Blavatsky, que morrera em 1891, havia renascido como a filha pequena do sr. G. N. Chakravarti. Na verdade, aquele foi o ponto de partida para o “mito pseudoteosófico da criança divina”.

A Carta de 1900 garantiu alguma paz à alma de HPB em seu processo pós morte. O falatório sobre a sua “volta imediata” foi abandonado. Mas o mito neocristão e pseudoteosófico da “criança divina” logo ressurgiria com a apresentação do garoto Jiddu Krishnamurti como o “futuro Cristo”.

4)Você tem estado há algum tempo sob influências ilusórias.

Há aqui uma referência indireta às influências que levaram Annie Besant a perseguir politicamente William Q. Judge em 1894-1895, e que fizeram com que ela aderisse ao grupo mediúnico do “círculo interno” do sr. Alfred Sinnett, conhecido por promover falsos contatos com os Mestres.[2]

As mesmas influências a faziam seguir a liderança do sr. G. N. Chakravarti. Crédula, vaidosa, fácil de manipular, Besant libertou-se de Chakravarti apenas para cair nas mãos de Leadbeater.

5)Evite o orgulho, a vaidade e a busca de poder.

Nos anos seguintes, Annie Besant concentrou em suas próprias mãos todo poder da ST de Adyar. Ela era a presidente da ST, a Chefe Externa da Escola Esotérica, a líder da instituição pseudomaçônica controlada pela ST, responsável pelo “Rito Egípcio” criado pela ST de Adyar, e assim sucessivamente. Apesar das aparências, ela dependia da “clarividência” de C.W. Leadbeater para tomar qualquer decisão real.

6)Não seja levada pelas emoções, mas aprenda a manter-se de pé  sozinha. Seja exata e crítica, ao invés de crédula. Os erros do passado nas velhas religiões não devem ser encobertos com explicações imaginárias.  A E.E.T. deve ser reformada de modo que seja tão não-sectária e livre de credos quanto a S.T.  As regras devem ser poucas e simples e aceitáveis para todos.

Como nos pontos anteriores, ocorreu o oposto do que foi aconselhado. A S.T. de Adyar é que foi reformada para que pudesse ser verticalmente obediente e submissa, assim como a escola pseudoesotérica.

Annie Besant não aprendeu a manter-se de pé sozinha e usou a adoração emocional como mecanismo de poder.   

Com a frase sobre os erros das velhas religiões, a Carta claramente retoma a ideia da carta de Prayag, uma mensagem recebida dos Mestres através de HPB, e que hoje constitui a carta número 30 de “Cartas dos Mahatmas Para A. P. Sinnett” (Ed. Teosófica, Brasília). É assim destacada a necessidade de discutir os erros das religiões dogmáticas, causas de guerras e intolerância.

7) “Ninguém tem o direito de reivindicar autoridade sobre um estudante ou sobre sua consciência. Não lhe pergunte em quê ele acredita. Todos os que são sinceros e de mente pura devem ser admitidos.  A crista da onda do progresso intelectual deve ser influenciada e guiada para a Espiritualidade. Não se pode forçá-la a adotar crenças e adoração emocional. A essência dos pensamentos mais elevados dos membros em seu conjunto deve guiar toda a ação na S.T. e na E.E. Nunca tentamos submeter a nós próprios a vontade de outros. Em períodos favoráveis, liberamos influências elevadoras que impressionam várias pessoas de diferentes maneiras. É o aspecto coletivo de muitos destes pensamentos que pode dar o rumo correto à ação. Não temos favoritismos. A melhor maneira de corrigir o erro é um exame honesto e com a mente aberta de todos os fatos, subjetivos e objetivos.”

Vemos aqui a denúncia da crença cega e da adoração emocional, que destroem a autonomia do aprendiz, anulam sua capacidade de pensar por si mesmo e impedem a autorresponsabilidade.  

As frases acima contêm um conselho essencial para as décadas e os séculos posteriores a 1900. Elas anunciam que a etapa de contato verbal e visual com os Mestres estava terminada a partir daquele momento, mas que um contato interno ainda seria possível em um plano sutil e não-verbal. Na primeira metade do século 21, estas mesmas frases mostram ao estudante um caminho do meio entre dois extremos que são igualmente ilusórios. Um extremo é a ideia de que os Mestres estão completamente fora de alcance. O outro, a ideia de que eles podem ser contactados de modo verbal ou visual. 

8)O segredo enganoso tem dado o golpe mortal em numerosas organizações. O falatório acerca dos ‘Mestres’ deve ser silenciosa mas firmemente eliminado. Que a devoção e o serviço sejam somente por aquele Supremo Espírito do qual cada um é uma parte. Nós trabalhamos anônima e silenciosamente, e a contínua referência a nós mesmos e a repetição dos nossos nomes gera uma aura confusa que atrapalha o nosso trabalho.”

E nisso também Annie Besant fez exatamente o oposto. Orientada por Leadbeater, ela usou o segredo enganoso como mecanismo de poder e fez uso dos nomes dos Mestres para concentrar o poder em suas mãos. Como uma última advertência, a carta indica o rumo correto: 

9)Você terá que deixar de lado boa parte das suas emoções e da sua credulidade,  antes de tornar-se uma líder segura em meio às influências que irão começar a operar no novo ciclo. A S.T. foi concebida para ser a pedra angular das futuras religiões da humanidade. Para realizar este objetivo, aqueles que a lideram devem deixar de lado suas frágeis predileções pelas formas e cerimônias de qualquer credo particular, e demonstrar que são verdadeiros teosofistas, tanto no pensamento interno quanto no comportamento externo.”

Ignorando a mensagem do Mestre, Besant submeteu os teosofistas a variados rituais e cerimônias, inclusive ao Rito Egípcio, a uma pseudomaçonaria leadbeateriana e às missas enfadonhas de uma “igreja católica teosófica”. [3]

É significativa no trecho acima a referência ao “novo ciclo”.

H. P. Blavatsky escreveu que o ano do início da era de Aquário seria 1900.[4] Assim, a Carta de 1900 encerra a fase preparatória do “Novo Ciclo”, definindo como será o contato com aprendizes dali em diante. Constitui uma última indicação verbal do rumo correto, a ser recuperado no momento certo do futuro. Em 1987, foi resgatado o texto integral da Carta. Cabe no século 21 aprofundar a sua compreensão e agir à altura dos princípios pedagógicos que ela reforça e estabelece.  

10) “A maior das suas provações ainda está por vir. Nós estamos zelando por você, mas você deve usar toda sua força.” (Segue-se a assinatura do Mestre.)

Podemos ver aqui a grande bondade com que os Mestres olham aquele que perde o foco da sabedoria.

O modo preciso como se dá o desligamento é do interesse deles, especialmente quando o fracasso ético de um aprendiz influenciará a vida de muitos outros aspirantes à sabedoria divina. O desligamento pode ter efeitos mais ou menos nocivos para o trabalho dos Adeptos, e eles procuram evitar o pior.

A Carta de 1900 constituiu um instrumento prático para evitar que o nome de H.P. Blavatsky fosse diretamente envolvido nas fraudes e falsificações que se seguiriam. Nisso, a advertência do Mestre teve um êxito pleno e imediato. O item não deve ser subestimado, e pode ter tido importância central, porque era necessário zelar pelo sossego da alma de H.P.B., em seu processo de pós-morte.

NOTAS:

[1] A Carta de 1900, tal como publicada por C. Jinarajadasa, pode ser lida em “Cartas dos Mestres de Sabedoria”, Ed. Teosófica, Brasília, 1996, 296 pp., ver pp. 106-107. O texto completo foi publicado pela primeira vez em “The Eclectic Theosophist” em setembro de 1987 pelo teosofista Emmet Small, um colega de trabalho de Boris de Zirkoff. Boris certamente considerava a carta autêntica. No Brasil, a Carta de 1900 foi publicada na íntegra pela primeira vez na então revista impressa da ST de Adyar, “O Teosofista”, número de abril a junho de 1989, pp. 20-21. Ela está disponível em nossos websites também sob o título de “A Carta de 1900, na Íntegra”, tendo como autor “Um Mestre de Sabedoria”.

[2] Veja-se a propósito o volume “Autobiography of Alfred Percy Sinnett”, Theosophical History Centre, London, 1986, 58 pp., mais 7 páginas ao final. Ler especialmente a p. 48.

[3] Examine em nossos websites o texto “A Fraude da Escola Esotérica”. Leia também o artigo “Krishnamurti e as Ilusões Besantianas”.

[4] “Collected Writings of H. P. Blavatsky”, TPH, volume VIII, p. 174, nota de rodapé. A afirmativa é parte do texto intitulado “The Esoteric Character of the Gospels”. Veja também “Secret Doctrine Questions and Answers”, livro de Geoffrey Barborka, Wizards Bookshelf, Califórnia, EUA, p. 100. 

000

Uma primeira versão do artigo acima foi publicada sem indicação do nome do autor na edição de novembro de 2007 do boletim “O Teosofista”. Título original: “Advertência Sobre o Papado Esotérico: Annie Besant Fez Todos os Erros Contra os Quais Foi Advertida pela Carta de 1900”.

000 

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é o seguinte: 


000