5 de outubro de 2016

Oração à Luz

A Inextricável, Infinda Teia Do Sonho
Do Universo é Tecida Com Fios de Luz

Guerra Junqueiro



Nota Editorial de 2016:

O poema “Oração à Luz”, de Guerra Junqueiro (1850-1923), é reproduzido da sua terceira edição, em pequeno volume de 32 páginas publicado pela Livraria Chardron Lello & Irmão, na Cidade do Porto, Portugal. A ortografia foi atualizada.

Estudantes de teosofia podem verificar que seus versos expressam em grande parte a filosofia esotérica tal como exposta na obra “A Doutrina Secreta”, de Helena Blavatsky.

Aproximadamente na mesma época da publicação deste poema, o filósofo brasileiro Farias Brito afirmava que a divindade é a Luz: nisso, os dois pensadores coincidem com a teosofia clássica de Helena Blavatsky. Luz é Buddhi. É o logos solar: é a sabedoria.

A palavra sânscrita “Buddha”, por exemplo, significa o Iluminado, o Sábio, assim como “Atma”, o eu superior, é o sétimo princípio da consciência e corresponde à estrela, à fonte de Luz, de Compaixão e Inteligência.

(Carlos Cardoso Aveline)

000


Oração à Luz

Guerra Junqueiro

Claro mistério
Do azul etéreo!
Sonho sidéreo!
Luz!

Da terra dorida
Alento e guarida!
Fermento da vida,
Luz!

Eucaristia santa,
Vinho e pão que alevanta
Homem, rochedo e planta…
Luz!

Virgem ígnea das sete cores,
Toda abrasada de esplendores,
Mãe dos heróis e mãe das flores,
Luz!

Fiat harmônico e jucundo,
Verbo diáfano e profundo,
Alma do sol, corpo do mundo,
Luz!

Luz-esperança, luz rútila da aurora,
Vida vibrando na ampliação sonora,
Vida cantando pela vida fora,
Luz!

Luz que nos dás o pão, ó luz amada!
Luz que no dás o sangue, ó luz dourada!
Luz que nos dás o olhar, luz encantada!
Bendita sejas, luz, bendita sejas!

Sejas bendita em nós, ó fonte de harmonia!
Sejas bendita em nós, ó urna de alegria!
Bendito seja o filho teu, o alvor do dia!
Perpetuamente, ó luz, ó mãe, bendita sejas!



A inabalável rocha taciturna,
Quando a eletriza teu deslumbramento,
Acorda e sonha na mudez soturna…

Por ti se volve areia; e num momento
A areia é lodo, é seiva, é fruto lindo,
É carne humana, é sangue, é pensamento…

Por ti a água exulta, anda bramindo,
Por ti rola do monte ao sorvedouro,
E voa, em nuvens, pelo azul infindo…

Por ti orvalho: Cai no trigo louro?
É pão e é hóstia … Cai na flor? incenso,
Néctar, abelha, borboleta de ouro…

Por ti flutua o ar, um mar imenso,
Prenhe de vidas invisíveis, onde
Todo o sonho da terra anda suspenso…

Ao teu hálito, ó luz, nada se esconde:
Brilhas! e a alma opaca da matéria
Das entranhas do globo te responde!...

Brilhas! e amor e dor, luto, miséria,
Doira-os a graça, a juventude, o encanto
Do teu manto de púrpura sidérea!

És tu que alumbras alegria e pranto:
No sorriso do herói clarão eterno,
Prisma de Deus [1] na lágrima do santo.

Por teu fulgor genésico e materno
Surgem núpcias das campas viridentes
E um novo abril palpita em cada inverno…

Por ti suspiram, sem te ver, dormentes,
As almas vegetais, indefinidas
No mistério noturno das sementes…

Germinando por ti, por ti vestidas,
Sonham aroma, sonham forma e cor,
Em teu alvor magnético embebidas…

E esplêndidas de graça, enlevo e amor
Erguem-te, ó luz, um ai e luz radiante,
Aberto em beijo, idealizado em flor!...

Por teu frêmito de ouro, instante a instante,
O verme cego, enclausurado, imundo,
Gera a visão liberta e deslumbrante.

Por ti um sopro anímico e fecundo
Penetra o lodo, a rocha, a água, o ar,
Voa de esporo a esporo, e mundo a mundo…

Por ti a asa, o lábio, a mão, o olhar…
Por ti o canto e o riso e o beijo e a ideia…
Por ti o verbo ser e o verbo amar!...

A inextricável, a infindável teia
Do sonho do universo em luz é urdida,
Em Luz vislumbra e misteriosa ondeia…

Suspensa em luz, da mesma luz nutrida,
Vai para Deus rolando eternamente
A dor, na eterna evolução da vida…

Homem, nuvem, granito, onda, serpente,
A rocha, o ar, o abutre, a folha de hera,
O mundo, os mundos, tudo que é vivente,

Do lodo à águia, do metal à fera,
Da fera ao anjo, do covil à cruz,
Move-se tudo, existe e reverbera,

Sonhando, amando, palpitando em luz!...



E o coração a arder, que das alturas
Manda perpétua luz às criaturas,
Vive às escuras!

Seus infernos de fogo a trovejar
Dão aurora e luar.

Sua angústia sem fim, que não descansa,
É mãe do beijo e mãe da esperança.

Dos ais candentes da sua dor
Brota o sorriso e brota a flor.

Bendito seja!

Arde por nós a toda a hora,
Sofre por nós a toda a hora,
Por nós morrendo a toda a hora,
Continuamente!

Bendito seja!

O seu tormento é o nosso alento,
Sua paixão cruel e dolorida
A nossa vida.

Bendito seja! bendito seja!

Bendito o mártir, cujo sangue a flux
Alaga os mundos de marés de luz!

Bendita a horrenda e trêmula agonia,
Cujos suspiros são o alvor do dia!

Bendita a morte, em cuja essência etérea
Ondula para Deus nossa miséria!

Bendito seja!
Bendito seja!
Bendito seja!
Bendito vezes mil o fecundo esplendor,
Nossa vítima e nosso redentor!...



Homem!
Quando a alvorada alumie o horizonte,
Ergue-te em pé, ergue essa fronte!
Ergue-te livre, em pé, na terra escrava,
Em que hás sido mudez caliginosa
E onda e rocha e verme e fera brava…
Ergue essa fronte humana misteriosa,
Enigmática flor crepuscular,
A flor que chora que sorri, que pensa,
A flor de dor, que a natureza imensa
Milhões de anos levou a arquitetar!...
Ergue-te calmo sobre a terra obscura,
Filho de Satanás, pai de Jesus! [2]
E no enlevo, no mimo, na candura
Da madrugada angelizada e pura,
Faz, de olhos tristes, o sinal da cruz [3]:
Uma cruz imortal em pensamento,
Uma infinita cruz, cheia de luz,
Aberta aos mundos num deslumbramento…
Cruz, que vindo de deus, trespasse o inferno,
Cruz abarcando toda a imensidade,
Cruz onde um Cristo, o Amor Eterno,
Chore sem fim a dor da Eternidade!...
E extático, enlevado, absorto, imerso
Na harmonia inefável da amplidão,
Ébrio de Deus, ungido de universo,
Homem, levanta à luz esta oração:

Monstro de dor nos ermos do infinito,
Ó Sol crucificado, ó Sol bendito!
Tua carne de fluidos e metais
É a carne-embrião do mundo todo,
Das águas e das rochas e do lodo,
Que foram nossas mães e nossos pais!
Por isso lanças para nós teu grito,
Por isso voam para nós teus ais!

São os teus ais sem fim de moribundo
A luz, esperança que eletriza o mundo.

O ouro divino das manhãs formosas,
Que os orbes veste de cendais de rosas,
Como se fossem pobrezinhos nus,
É o estertor e a dor do teu fadário,
É sangue a espadanar do teu calvário,
A jorrar do teu corpo e da tua cruz!

Bendito o cristo-sol na cruz ardente,
O monstro-mártir, que infinitamente
Por nós expira, soluçando luz!...

Ó luz, ó luz, o mundo que te devora,
Mas revives no mundo a toda a hora.

Morres para nascer a todo o instante,
Mais perfeita, mais pura e mais brilhante.

Sim, mais brilhante: a claridade
Vem só do amor e da verdade.

Tu revives, ó luz, mais amorosa
Na água fluida, trêmula e viscosa.

Na água fecundante e conjugal,
Mãe do homem, do verme e do cristal.

Na água móvel, mágica, indecisa,
Onde a vida fermenta e fraterniza…

Por onde o sangue a e seiva, ébrios de amor,
Circulam para a ideia ou para a flor!

Mas a água te absorve e te agradece,
Nunca te esquece, ó luz, nunca te esquece:

Almas da água, quando se casaram,
Foi com beijos de luz que se beijaram.



Tu revives na terra áspera e dura,
Que é leite e mel na boca da verdura.

Leite e mel da raiz, do sugadouro,
Que mama fragas e dá frutos de ouro.

Sim, revives mais pura, muito mais,
No granito e no lodo e nos metais.

Matéria bruta
Não vê, não fala, não escuta,

Não pode amar,
Sem se tocar.

Quando se toca é que se liga,
Tem de ser densa para ser amiga.

Na rude e baixa natureza
O amor é solidez, a afeição é dureza.

E por isso o cristal
É um verdadeiro santo mineral.

Rochedo ou bronze
Mantém na estátua o gênio criador,
Porque rochedo e bronze
São dois blocos de amor.

O sonho ideal e genial, sonho impoluto,
Não se esvaiu, porque fundiu
No sonho bruto…

Fragas imóveis, taciturnas,
Que nós pisamos, caminhando,
São almas lentas, ínfimas, noturnas,
Cegas e surdas, que se estão beijando!...

A pedra, ó luz, te absorve e te agradece,
Nunca te esquece, ó luz, nunca te esquece:

Porque as pedras, inertes e geladas,
Já foram sóis, estrelas, alvoradas…



Tu revives, ó luz, mais santa,
Na alma da planta.

Alma já feita de infindas almas,
Vida gerada de infinitas vidas,
Mas presas todas, palpitando unidas
Numa só alma!

Almas que existem para a mesma ânsia,
Que a mesma ardente aspiração eleva…
Sonhando, amando, ouvindo-se a distância,
Folha livre no azul, raiz muda na treva…

Almas aéreas, ondulantes,
Ébrias de cor e de esplendor,
Ao Deus ignoto erguendo as verduras radiantes,
Ao Eterno evolando emanações da flor…

E flor dourada e folha verde e troncos nus
Condensam chamas, arquitetam luz!

Incorporam em luz o infindável desejo,
Edificam em luz a essência misteriosa
Que, suspiro a suspiro e beijo a beijo,
Vai do líquen ao cedro e vai do musgo à rosa!...

Ervas, florestas, pâmpanos, rebentos,
Cálices de ouro, bosques a noivar,
São esculturas em deslumbramentos,
Sonhos urdidos com a luz e o ar!...



E ainda mais bela que na primavera
Ressuscitas, ó luz, num verme ou numa fera,
Que já tem sangue e tem olhar!

Luz dardejante!
Graça da cor! alvor, fulgor, esplendidez!
Tu és escuridão, és uma cega errante…
Cega noturna e deslumbrante,
Porque alumias e não vês!

Esses olhos de estrelas vagabundos,
Olhos de luz tão viva que incendeia,
Não descobrem nem páramos, nem mundos,
Não conhecem nem flor, nem grão de areia!

E uma alimária torva, rastejando,
Vê as nuvens e os pássaros em bando,
Vê da noite o clarão,
E na centelha exígua da pupila
Junta o braseiro de astros que rutila,
Imensurável na amplidão!

O olho ardente
É luz prodigiosa, é luz consciente.

Olhar,
É distinguir, unir, fraternizar
O sonho do universo,
Tudo o que anda disperso
Ou no lodo ou na rocha ou na água ou no ar...

E, dilatando o amor,
Dilata-se a visão, cresce a união, cresce o esplendor.

Olhos perfeitos,
De eterna luz,
Só os olhos divinos dos eleitos.
Só os olhos de Buda ou de Jesus.



E ainda mais santa e mais harmoniosa
Que nos olhos da pomba ou no cálix da rosa,
Tu revives, ó luz, na música dos ninhos,
Na alegria infantil dos passarinhos.

A ave canta,
Sonorizando aurora na garganta...

Verdilhão, toutinegra, rouxinol
Declamam luz, gorjeiam sol.

Morre a canção na escuridão...

Canção alada!
Tu és a voz idealizada
Da natureza flórida e fecunda,
Ébria, bebendo oceanos de alvorada...
Toda a alma da luz, que a terra inunda,
Todo o anseio da terra ao fulgor imortal,
Cantam na voz da cotovia,
Cristalizam na límpida harmonia
De um beijo de ouro ideal!...



O mundo, ó luz, te absorve e te devora,
Mas revives no mundo mais intensa,
Mais próxima de Deus a cada hora,
Nas vidas todas desta vida imensa,
Vidas sem fim, almas sem fim,
Que o segredo do amor junta e condensa,
Por meus olhos magnéticos, em mim!

Lampejam no meu corpo, humanizadas,
Mortas constelações e mortas alvoradas.

Desde que a Vida me gerou em dor
E fui éter, estrela, água, montanha e flor;

Desde que verme obscuro andei a rastros,
E, lobo em pé, sob o clarão dos astros,

Ao verter uma lágrima ligeira,
Me senti homem pela vez primeira;

Quantos sóis, nebulosas, firmamentos,
Varridos já na asa dos ventos,

Não deram luz ao lodo triste,
Que em mim, sonhando e suspirando, existe?!...

Todo o meu corpo é luz esplendorosa,
Sou um hino de luz religiosa,
Gravitando na órbita de Deus...
Milhões de auroras riem no meu canto,
Ondas de estrelas brilham no meu pranto,
Pélagos de luas há nos olhos meus!...
Esta carne, este sangue, esta miséria,
E este ideal imortal que me conduz,
Já foram brasas na amplidão etérea,
Por isso exultam devorando a luz...

Vive de luz minha alegria e minha mágoa,
Bate na luz meu coração,
Fulge na luz o meu olhar...
Ó luz tremente, eu bebo-te na água,
Ó luz ardente, eu como-te no pão,
E calco-te na lama e sorvo-te no ar!...
Ó luz! ó luz! ó luz!
Como te hei de remir e te hei de consolar?!...

Luz que nos enches de alegria,
Luz que desvendas a harmonia,
Que és o esplendor e a cor da natureza,
Farei de ti, luz dum só dia,
A luz perpétua da Beleza!

Luz que iluminas a existência,
Luz que propagas a evidência,
Que dissolves o erro e a escuridade,
Farei de ti, da tua essência,
A luz augusta da Verdade!

Luz, onde os olhos e onde o pensamento
Casam a estrela, o verme, a rocha, a água, o vento,
Homens e monstros, a canção e a dor,
Farei de ti, luz de um momento,
A luz eterna, a luz divina, a luz do Amor!

Farei de ti a luz do Amor, que não se apaga,
A luz que tudo alaga
E tudo vê e tudo esquece...
A luz que nos deslumbra e irradia
De um suspiro, de um ai, de uma agonia,
De um beijo humilde ou de uma prece...

A luz, em cuja glória idealizante,
O braseiro dos astros rutilante
É cinza escura e sepulcral,
E a apoteose imensa da alvorada
Uma lúgubre e lenta fumarada,
Sonho torvo da dúvida e do mal...

A luz que transfigura e que converte
O César deslumbrante em poeira inerte
E o vagabundo, a rastros, num clarão...
A luz que acende lágrimas doridas
Em estrelas eternas e floridas,
Em jardins de candura e de perdão!...

Luz onde tudo vai boiando imerso,
Luz Espírito e Alma do universo,
Sol dos sóis, incriado e criador...
Luz da misericórdia e luz de esperança,
Luz de infinita bem-aventurança,
Manhã que rompe da infinita dor...

Ó luz dos astros, cega luz corpórea,
Que, revivendo, és água transitória,
Fraguedo e areia, podridão e planta,
Cálix que murcha e que a nortada leva,
Olhar de brasas que se volve em treva,
Gorjeio lindo que uma hora canta,
Em meu sangue exaltada e sublimada,
Em meu divino ideal crucificada,
À paz suprema chegarás por mim:
Serás a luz do Espírito amoroso,
Serás na eterna dor o eterno gozo,
A beatitude harmônica e sem fim!



Oremos:

Cândida luz da estrela matutina,
Lágrima argêntea na amplidão divina,
Abre meus olhos com o teu olhar!

Viva luz das manhãs esplendorosas,
Doura-me a fronte, inunda-me de rosas,
Para cantar!

Luz abrasando, crepitando chama,
Arde em meu sangue, meu vigor inflama,
Para lutar!

Luz das penumbras a tremer nas águas,
Vela as montanhas de um vapor de mágoas,
Para sonhar!

Luz dolorosa, branda luz da lua,
Embala, embebe a minha dor na tua,
Para chorar!

Luz das estrelas, vaga luz silente,
Cai dos abismos do mistério ardente,
Chora calvários infinitamente,
Para eu rezar!

E cantando,
E lutando,
E sonhando,
E chorando,
E rezando,

Farei da cega luz que me alumia
A luz espiritual do grande dia,
A luz de Deus, a luz do Amor, a luz do Bem,
A luz da glória eterna, a luz da luz, ámen!

NOTAS:

[1] Em teosofia, a palavra “deus” pode ser aceita quando significa a Lei Universal do Equilíbrio e da Justiça, e também a alma imortal de cada indivíduo. A filosofia esotérica ensina que os deuses monoteístas são uma ilusão medieval fabricada por sacerdotes desinformados, e constituem uma grande causa de guerras sangrentas, autoritarismo e intolerância religiosa. (CCA)

[2] “Pai de Jesus” - referência ao ser humano. Jesus é o “filho do homem”, o filho da humanidade. (CCA)

[3] Veja em nossos websites associados o artigo “A Teosofia do Sinal da Cruz”. (CCA)

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000