15 de outubro de 2016

Uma Semente

Memórias da Reencarnação de uma Planta

Afonso Lopes Vieira




No gesto de amor
que a terra semeia,
na loura mancheia
do semeador,
- rolei para o fundo.

No escuro profundo
da sombra pesada
que lá me envolvia,
fiquei desmaiada;
julguei que morria.

A treva pesava,
húmida, dormente:
e eu, vagamente,
sofria, abafava.

Já quando, a cuidar
que ia assim ficar,
pensava em morrer,
senti-me acordar,
- reviver…

Do meu ser,
outro ser saía:
e da minha vida
perdida na sombra,
mais vida nascia…

Meu corpo engrossava
e, lá dentro, inchava
a minha alma toda…

Já também à roda
de mim, acordavam,
como eu murmuravam
outras que, como eu,
morriam num sono
de frio abandono…

Tudo, em volta tinha
lento respirar:

E havia um calor,
um vago esplendor,
um bafo que vinha
de cima, do ar!
que a terra furando
nos ia chamando,
com luz norteando
nosso germinar!...


000

Da obra “Ar Livre”, de Afonso Lopes Vieira, Livraria Editora Viuva Tavares Cardoso, Lisboa, Portugal, 1906, 211 pp., pp. 111-113. O poeta viveu de 1878 a 1946 e esteve ligado ao movimento cultural Renascença Portuguesa, na cidade do Porto, no início do século 20.

000

Sobre o lado místico do simbolismo da semente, veja em nossos websites o artigo “O Novo Paradigma”, de Jerome Wheeler.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000