5 de dezembro de 2018

A Moderação Protege a Liberdade

É a Força Moral dos Povos
Que Possibilita a Democracia

Carlos Cardoso Aveline

O centro de Paris no início de dezembro de 2018: a “violência popular” é uma
tentação para iludir os ingênuos, e produz apenas mais violência contra o povo



A ideologia materialista promove a futilidade, o consumismo e o narcisismo das elites. Os resultados são a inveja, o desespero e a violência na sociedade como um todo.

De outro lado, a filosofia do respeito pela vida aponta para um futuro saudável. Onde a presença da alma é reconhecida, os desafios podem ser superados. Há uma unidade misteriosa e cíclica entre o melhor do passado e o melhor do futuro, e o sábio chinês Lao-tzu ensinou: 

“Os líderes iluminados dos tempos antigos limitavam o que retiravam dos seus súditos e eram moderados em sua própria vida. Eles sempre avaliavam a produção anual antes de tomar qualquer coisa para si: calculando os estoques das pessoas, eles só cobravam impostos depois de saber se havia lucros ou prejuízos. Assim, eram capazes de compartilhar do que era recebido do céu e da terra, e evitar as aflições da fome e do frio. A compaixão deles pelas pessoas era tamanha que não tomavam comida para si mesmos se havia qualquer fome no país, e não usavam roupas grossas de couro se as pessoas passavam frio. Eles compartilhavam as mesmas dores e prazeres do povo, de modo que em toda a terra não havia pessoas marginalizadas.” [1]

Na sociedade decadente, os “famosos” esbanjam dinheiro e sonegam impostos para admiração dos seus fãs. A mídia, quase sempre a serviço do egoísmo, aplaude e faz propaganda da maldade, em troca de dinheiro sujo.

O desprezo pelos valores morais gera grandes quantidades de rancor, começando no plano subconsciente. E a “violência popular”, que aparece aqui ou ali como tentação para iludir os ingênuos, produz apenas mais violência contra o povo. A confusão nas ruas se volta contra os pagadores de impostos e os trabalhadores honestos.

A ação eficaz para melhorar a sociedade é pacífica e educativa. Atua pela construção independente do que é bom e pela transmissão do exemplo correto.

Os cidadãos equilibrados seguem a voz da sua consciência. Eles ficam de fora do hipnotismo social do materialismo e da irresponsabilidade dos que preferem não pensar. Uma direita corrupta e uma esquerda imoral não podem beneficiar país algum. São ambas sócias entre si, ao enganar o povo. Acabam por destruir a si mesmas.

A sabedoria milenar da China afirma, nas palavras do “Wen-tzu”:

“Se são estabelecidas leis e é criado um sistema de recompensas, e no entanto tal fato não influencia os costumes nem muda a moral, isso significa que está faltando a aceitação do coração sincero. Por isso, escute as músicas do povo e você conhecerá seus hábitos; observe como o povo se diverte e conhecerá os seus costumes. Quando enxergar seus costumes, você conhecerá o seu desenvolvimento.”

O trecho revela que o progresso de um povo pode ser destruído pela música e pela arte. Quando as canções e os artistas atacam ou desprezam os sentimentos de bondade, servem apenas para provocar impulsos animais e para boicotar a voz da consciência espiritual. [2] O cidadão que respeita a vida caminha na direção oposta.

O Wen-tzu prossegue:

“Aqueles que aceitam a realidade e praticam a verdadeira sinceridade movimentam os espíritos do céu e da terra, independentemente de convenções, ordens e proibições. Eles trilham seu caminho e alcançam aquilo a que aspiram graças à sinceridade.” [3]

Algumas das políticas econômicas dominantes no início do século 21 desprezam a vida. A tecnocracia trata as máquinas como deusas e os seres humanos como coisas. A teologia do dinheiro, baseada no dogma do cartão de crédito, marginaliza o povo trabalhador e produz desemprego. A adoração do dinheiro corrompe as elites e humilha a classe média. Assim a arte fica prostituída. O materialismo exacerbado leva ao desespero e ao uso das drogas. Quando o dinheiro é colocado no centro de todas as coisas, o egoísmo e a mentira dominam a atmosfera humana. Este, seguramente, não é o caminho para a paz.

A falsidade deve dar espaço para sentimentos honestos.

O hábito de falar a verdade torna possíveis duas realidades inseparáveis: a justiça social e a ética na política. A ordem produz progresso. As nações merecem ser respeitadas em sua independência. Cada país deve ter a sua autonomia. A motivação altruísta das comunidades vence cedo ou tarde a ignorância espiritual das elites cegas.

Todo líder político que ignora a voz da consciência, que não busca o bem-estar do povo ou que mente à nação não merece ser um líder político. Mas para que o povo seja respeitado, é preciso que ele aja à altura.

O escritor brasileiro Malba Tahan afirmou:

“É um erro julgar-se que a excessiva liberdade é um bem. (…) Não há liberdade senão quando só se faz o que é direito e justo. A liberdade não é apenas um direito; é, também, uma séria responsabilidade. Não consiste a liberdade em fazer o que se quer, mas em fazer o que se deve.”

E Tahan esclarece:

“O direito sem o dever é anarquia; o dever sem o direito é escravidão. O direito e o dever, ligados indissoluvelmente um ao outro, são a liberdade. A liberdade é mais vezes destruída pelos seus excessos do que pelos seus inimigos.” [4]

A moderação protege a liberdade. A força moral de um povo possibilita a democracia. A sabedoria garante a existência da paz, e cedo ou tarde o povo sábio e justo tem o governo que merece. Antes de desejar, portanto, é preciso merecer e esperar o tempo certo do renascimento da harmonia.  

NOTAS:

[1] “Wen-tzu, a Compreensão dos Mistérios”, Ensinamentos de Lao-tzu, tradução do Chinês, Thomas Cleary, tradução do inglês, Carlos Cardoso Aveline, Ed. Teosófica, Brasília, 2002, 198 pp., ver p. 164.

[2] Clique para ler o artigo “O Carma da Mídia, da Arte e da Literatura”.

[3] “Wen-tzu, a Compreensão dos Mistérios”, obra citada, ver p. 47.

[4] “Lendas do Céu e da Terra”, Malba Tahan, Editora Conquista, Rio de Janeiro, 1956, 222 pp., ver pp. 42-43, narrativa “O Rei e os Peixinhos do Lago”.

000

O texto acima foi publicado em nossos websites associados dia 04 de dezembro de 2018.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 
  

Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:


000