21 de outubro de 2012

Três Aspectos do Trabalho Teosófico

Examinando a Arte de Trilhar o Caminho

Carlos Cardoso Aveline

Três Aspectos do Trabalho Teosófico



Alguns pontos merecem destaque, quando se reflete sobre a caminhada espiritual. Nenhum deles é uma “novidade”, mas vale a pena reexaminá-los regularmente, porque são inesgotáveis como fontes de aprendizagem.

1) A filosofia esotérica não está nas palavras, embora as utilize.

O ensinamento clássico da teosofia nunca se esgota e não pode ser reduzido a estas ou aquelas palavras. É possível vê-lo e processá-lo corretamente desde um número quase ilimitado de pontos de vista. Ele muda de aspecto externo, mas contém sempre a mesma ética universal e a mesma lição de veracidade fraterna entre todos os seres. Cada vez que se olha para o ensinamento, ele ensina outras tantas coisas que ainda não haviam sido percebidas.

2) A vida ocorre através de ritmos, ou hábitos, e eles devem combinar constância e adaptabilidade.

Devemos ter flexibilidade com os ritmos da vida. É recomendável saber recuar e abrir exceções, sempre que essa for a alternativa do bom senso. A flexibilidade está ligada à capacidade de aprender, de renunciar, e de se adaptar aos fatos novos.

Ao mesmo tempo, a constância e a pontualidade são desejáveis. Um motivo central para isso é que a luz astral ou akasha - que sustenta invisivelmente o mundo externo - não é um “espelho” sutil imóvel ou sempre igual a si mesmo. O Akasha é um “espelho” dinâmico e vivo. Ele é sustentado por ritmos vibratórios dotados de vida, e portanto mutáveis. Assim, a construção de bons ritmos e hábitos eficazes - com a necessária gradualidade para que sejam duráveis - é um fator decisivo. A moderação taoista e budista, combinada à firmeza, permite vitórias de longo prazo.

3) O trabalho teosófico ocorre levando em conta escalas de tempo imensas.

Nosso esforço - regulado pela lei do Carma - é de longo prazo, porque aponta, no mínimo, para o ano de 2075. Isto é, ele vai além dos limites da nossa vida física atual. E essa é só a ponta do iceberg da concepção teosófica do tempo. O movimento esotérico moderno foi criado levando em conta a perspectiva dos próximos 25.000 anos. Outros ciclos muito maiores entram na equação cronológica do movimento.

Deste modo, assim como colhemos hoje os bons frutos do trabalho de gerações anteriores de teosofistas que para nós são anônimos e desconhecidos, também devemos plantar agora, anonimamente, para que as gerações futuras possam fazer corretamente as suas próprias colheitas e os seus próprios plantios. E elas não saberão que nossas individualidades externas algum dia existiram.

Há, na verdade, uma “Agricultura do espírito[1] e somos plantadores dela. Somos operários e pedreiros-livres, também, da lenta obra comum da construção da humanidade do futuro. Neste esforço sempre renovado, devemos nascer uma e outra vez, enquanto o renascimento for útil e necessário para o nosso aprendizado, ou para o aprendizado de outros.

NOTA:

[1] Veja-se, por exemplo, o antiquíssimo “Book of the Nabathean Agriculture”, que é citado por H. P. Blavatsky e pelos Raja-Iogues dos Himalaias. Esta obra misteriosa é tema de um livro de Ernest Renan hoje disponível online: “Essay On the Age and Antiquity of the Book of NABATHEAN AGRICULTURE”.  

000

Uma versão inicial do texto a seguir foi publicada sem indicação de autor na edição de abril de 2010 de “O Teosofista”.

000

Em setembro de 2016, depois de cuidadosa análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu formar a Loja Independente de Teosofistas, que tem como uma das suas prioridades a construção de um futuro melhor nas diversas dimensões da vida.

000 

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000