25 de março de 2013

Telepatia, a Comunicação Silenciosa

Como Ocorre a Comunhão das Ideias,
no Oceano dos Pensamentos Humanos

Carlos Cardoso Aveline



Durante uma reunião, você tem uma ideia e no mesmo instante alguém fala a todos aquilo que você acaba de pensar. Você pode supor que é coincidência.

Em outra ocasião, você pensa em alguém e em seguida toca o telefone. Você atende e escuta a voz da pessoa em quem pensava. Você pode forçar-se a concluir que é um acaso. Mas um dia você acorda lembrando de um amigo de quem não tem notícias há muitos anos e, horas depois, recebe uma carta dele. Ou você chega a uma reunião no momento exato em que seu próprio nome está sendo mencionado.

Embora sejam comuns na vida diária, nenhum destes fatos é uma simples coincidência. Eles constituem exemplos concretos de uma das funções mais fascinantes da consciência humana: a telepatia, a percepção ou transmissão de sentimentos e pensamentos a distância.  

O termo “telepatia” é feito de duas palavras gregas; “tele” (“à distância”), e “pathos” (sentimento, sofrimento). O significado literal é “sentir a uma distância”. O termo engloba, portanto, mais do que a mera transmissão de pensamentos lógicos e definidos. Inclui todos os tipos de contato entre duas ou mais mentes, quando este contato transcende (embora frequentemente incluindo) a ajuda dos cinco sentidos.

O fenômeno é mais comum do que geralmente se pensa, mas na maior parte dos casos acontece de modo semiconsciente ou involuntário. Os processos telepáticos estão presentes nos vários aspectos da vida diária, embora de modo parcial e distorcido. Se todos soubessem disso, teriam mais cuidado não só com o que dizem, mas também com o que pensam e sentem em relação a cada pessoa e situação.

A afinidade magnética que possibilita a telepatia pode ser harmoniosa ou desarmoniosa. As trocas telepáticas são fonte de sofrimento e de bênçãos. Nem tudo que é similar se harmoniza. Nem tudo que é diferente se complementa. Para evitar problemas, a melhor coisa a fazer é deixar de pensar de maneira errada e intensificar a prática incondicional do pensamento correto.

Em certas condições, e especialmente quando fazemos silêncio em nossas mentes, somos capazes de ouvir pensamentos. Não escutamos palavras, mas percebemos as ideias e os sentimentos íntimos de outros. Os pensamentos se transmitem de modo natural e imperfeito. A telepatia ocorre em silêncio e ao lado da comunicação verbal. Ela se apoia na palavra como seu veículo e instrumento. É ela que dá um sentido mais profundo ao que uma pessoa fala ou escuta. A telepatia reescreve um velho ditado popular e afirma:

O que os olhos não veem, o coração sente”.

O estudante de teosofia deve reduzir a margem de erro no modo como o seu coração sente, e melhorar o modo como seu coração fala sem palavras.

Uma família, um grupo de amigos e uma escola de filosofia são de certo modo campos telepáticos. Formam territórios sutis habitados por grupos de pensamentos e sentimentos. A telepatia despercebida é responsável em grande parte pelos hábitos coletivos e por opiniões que passam a ser consenso. E ela explica o fenômeno da liderança.

Assim como a telepatia, a transmissão de ideias faladas ou escritas é um processo magnético. Uma ideia correta, lançada por alguém num momento e num contexto favoráveis, se transmite com rapidez às consciências de muitos. A mesma ideia correta, lançada em momento ou contexto desfavoráveis, pode não ser recebida magneticamente por mente alguma, necessitando de muito tempo para ter o seu valor reconhecido. Em todas as épocas, os pioneiros da evolução devem abrir terreno novo em condições difíceis, desafiando o peso acumulado da ignorância coletiva, até que suas ideias sejam reconhecidas e se transmitam amplamente, rasgando o véu das ilusões anteriores. Os pioneiros da fraternidade universal, por exemplo, trabalham há muitos milênios mantendo viva não só a percepção deste ideal mas também a ética, sabedoria e o discernimento que dele são inseparáveis. A tarefa irá prosseguir até que a humanidade desperte por completo de um sonho desagradável: o pesadelo das civilizações em que falta fraternidade.

No plano individual, a telepatia é uma forma de diálogo direto das auras humanas. Ela reforça e acelera os processos de afinidade e desarmonia. Quando um cidadão conhece alguém e simpatiza com a pessoa, pensa bem dela. O pensamento e o sentimento positivos chegam até o outro e - se houver real afinidade - podem surgir a amizade e a cooperação. Quando o indivíduo antipatiza com alguém, seus pensamentos e sentimentos chegam de modo igualmente certeiro à outra pessoa e, se outros fatores não forem mais fortes, surgirá um sentimento negativo recíproco.

Há conclusão prática a ser tirada deste fato. Se você alimentar sentimentos equilibrados e construtivos para com todos - mesmo os que lhe são antipáticos - a lei da reciprocidade magnética e a inevitável circulação dos pensamentos e sentimentos fará com que você colha os bons frutos que plantou.

O universo não tem - nem permite - segredos duradouros que signifiquem incomunicação ou separação. Há coisas que o indivíduo ainda não entende, ou para as quais não está preparado. Os verdadeiros segredos esotéricos, por exemplo, são preservados apenas porque ocorrem em planos de pensamento abstrato e percepção universal que não podem ser alcançados pela mente despreparada e desatenta, e teriam efeitos nocivos sobre ela. A lei do carma não admite exceções: o que vai, volta, o que se planta, se colhe. Tudo o que você faz, pensa, sente, sonha e pretende em relação aos outros e a si mesmo fica registrado e, seja bom ou ruim, dará seus frutos no devido tempo, incluindo vidas futuras da sua alma imortal. Este é o grande poder, e a enorme responsabilidade, do pensamento humano.

O magnetismo das ideias solidárias é propício à transmissão telepática. Isto não significa que os sentimentos rancorosos não se transmitam. Eles se transmitem bem no curto prazo, mas a médio e longo prazo tendem a provocar incomunicação e isolamento. Rancor e pessimismo provocam separatividade. O magnetismo da solidariedade une e desperta confiança. Para a pensadora Helena Blavatsky, a única coisa que pode separar duas mentes é a diferença entre os estados de espírito delas, e não a eventual distância física. Ela escreveu:

“Não está muito longe o dia em que o mundo da ciência será forçado a reconhecer que pode existir tanta interação entre duas mentes, seja qual for a distância entre elas, como entre dois corpos em contato direto. Quando duas mentes estão harmoniosamente relacionadas e os instrumentos pelos quais elas funcionam estão regulados de modo a responder magnética e eletricamente um ao outro, não há nada que possa impedir a transmissão voluntária de pensamentos de uma mente para a outra; porque, como a mente não tem uma natureza física, a distância não pode separá-la do objeto da sua contemplação, e a única diferença que pode haver entre duas mentes é a diferença de ESTADO. Se este obstáculo for removido, onde está o ‘milagre’ da transferência de pensamento, seja a que distância for?” [1]

A telepatia subconsciente que liga as mentes humanas está no alicerce da tradicional vigilância dos pais para garantir que os filhos tenham amizades corretas. Se alguém convive com quem tem bons pensamentos, recebe telepaticamente aquela energia. É verdade que nem sempre é indispensável estar junto a pessoas que pensam corretamente. No Novo Testamento, Jesus se rodeia de pecadores e os inspira e os leva à recuperação moral e espiritual. Um homem bom e sábio tem o poder de irradiar luz e paz ao seu redor, e é protegido por sua própria pureza da contaminação magnética de sentimentos negativos. O clássico budista “Dhammapada” afirma:

“Chamo de brâmane aquele que é amável entre os hostis, suave entre os violentos e livre de ambições entre os que cobiçam.” [2]

É pela telepatia subconsciente que, quando estamos com uma pessoa verdadeiramente santa, nos sentimos inspirados e elevados. Por isso os clássicos Versos de Ouro de Pitágoras aconselham: “Escolhe como amigo o mais sábio e virtuoso”.

A lei geral diz que “semelhante atrai semelhante”. O indivíduo deve deixar-se levar pela atração natural que o bem e a verdade exercem sobre ele, limitando e evitando outras influências. Mas de que modo funciona a transmissão de pensamentos e sentimentos? Em que dimensão da matéria sutil ela ocorre? O teosofista indiano Subba Row escreveu no século 19: “A explicação do fenômeno da transferência do pensamento depende da existência do fluído astral, um fluido que existe em todo o sistema solar, mas que não vai além dele.” [3]

Para a ciência esotérica, o akasha ou luz astral é a contrapartida sutil e transcendente dos planos material, vital, emocional e mental da vida. Subba Row acrescentou alguns parágrafos mais adiante:  “Talvez a ideia da matéria em sua condição ultragasosa - matéria radiante - possa ajudar-nos a conceber o fluído astral”.

O termo “matéria radiante” se aplicava, no final do século 19, às primeiras descobertas científicas sobre aquilo que, mais tarde, seria chamado de energia radiativa e de energia atômica. Tecnicamente, a energia atômica pertence a um nível inferior do akasha ou luz astral.

Subba Row afirma que o fluído astral existe uniformemente por todo o espaço do sistema solar. Mas ele é mais denso em torno de certos objetos ou organismos, devido à ação molecular destes pontos: “Este é o caso, especialmente, do cérebro e da coluna vertebral dos seres humanos, onde o fluído astral forma o que é chamado de aura. É esta aura em torno das células e fibras nervosas que capacita o homem a perceber as impressões registradas na Luz Astral do cosmo.” [4]

Cada pensamento ocorre junto com uma alteração correspondente nas energias do sistema nervoso. A médio e longo prazo, o sistema nervoso sempre se adapta à natureza dos pensamentos que produzimos. A energia dos nervos tem uma aura e está ligada a ela de modo íntimo e imediato. A aura é uma verdadeira antena ligada para o mundo sutil. Subba Row escreve:

“Observamos que em certos casos um sentimento de calamidade é experimentado por uma pessoa, quando um amigo fisicamente distante está morrendo. Acreditamos que, de algum modo, nossas ideias mentais estão conectadas com as emoções de prazer e dor (...).” E algumas correntes podem transmitir “sentimentos sem imagens”. [5]

Conforme a qualidade interior da sua consciência, cada cidadão terá o hábito ou será capaz de sintonizar e trazer para si por um esforço consciente determinados níveis da realidade. Ninguém é uma vítima inerte das circunstâncias. O próprio ser humano cria a atmosfera psíquica em que lhe cabe respirar e viver. Um raja-iogue dos Himalaias escreveu:

“Cada pensamento do homem, ao ser produzido, passa ao mundo interno e se torna uma entidade viva (...). Ele sobrevive como inteligência ativa - uma criatura gerada pela mente - por um período mais curto ou mais longo, proporcionalmente à intensidade da ação cerebral que o gerou. Desse modo um bom pensamento é perpetuado como força ativa e benéfica, e o mau pensamento como demônio maléfico. O homem está constantemente ocupando sua corrente no espaço com seu próprio mundo, um mundo povoado com suas fantasias, desejos, impulsos e paixões; uma corrente que reage em relação a qualquer organização sensível ou nervosa que entre em contato com ela, na proporção da sua intensidade dinâmica.” [6]

O ser humano carrega em sua própria aura uma bagagem completa de pensamentos, de emoções e de registros de fatos do passado. Leva também as sementes diretas e indiretas do seu futuro. Parte deste conteúdo vem de vidas anteriores. O conteúdo da aura individual guia a pessoa ao longo da vida, mas não lhe suprime a liberdade ou a responsabilidade. Seu livre arbítrio consiste em escolher o carma que irá plantar a cada momento, e em decidir que sementes fará germinar dentro das condições existentes. Observando os limites oferecidos pelo carma, ele pode escolher as influências que o rodearão. Está ao seu alcance também trabalhar para que as circunstâncias se renovem, de dentro para fora.   

Há inúmeras possibilidades de interação entre as consciências. O bom senso manda lembrar que cada ser humano é um resumo do cosmo e contém um mundo dentro de si. Quando duas pessoas têm opiniões diferentes sobre alguém, isso ocorre muitas vezes porque elas detectam ou priorizam componentes diversos do ser total daquela pessoa. Não há um olhar “absolutamente neutro”. Toda observação exerce alguma forma de influência sobre o ser ou objeto observado.

Quando um indivíduo que tem consciência do fato da telepatia involuntária está disposto a agir corretamente diante do desafio, ele trata de purificar sua mente e deixa de lado a tentação do pensamento destrutivo. O autocontrole e a autopurificação são mais fáceis quando sua alma está voltada para a busca da sabedoria universal. A mente humana é do tamanho daquilo que ela contempla, conforme Patañjali esclareceu, e nenhuma mente é pequena quando se dedica a metas elevadas.

Helena P. Blavatsky afirmou que é difícil encontrar alguém que não seja influenciado pela vontade ativa de outra pessoa. Ela deu alguns exemplos. Na guerra, quando um oficial que é visto com admiração vai para o front da batalha, os soldados entram em sintonia magnética com ele e compartilham do seu entusiasmo. Seguem-no sem medo, enfrentando o perigo com bravura. Na igreja, o pregador religioso se ergue em seu púlpito e, ainda que diga o absurdo mais incongruente, seus gestos e o tom de lamentação da sua voz serão capazes de produzir uma mudança no estado de espírito do público. No teatro, as pessoas choram ou riem de acordo com o caráter do espetáculo.[7] Todos nós somos afetados o tempo todo pela vontade, pelos sentimentos e pelos pensamentos dos outros. E também os afetamos.

Quando alguém forma descuidadamente uma opinião negativa e inverdadeira de outra pessoa, comete um erro que não ficará impune. Aquele que é sensato evita formar opiniões negativas sobre as pessoas que ama, e também sobre as pessoas de quem não gosta. Todos são influenciáveis em alguma medida. Deve-se ter cuidado com a crítica aberta, se ela for destrutiva. Mas o pensamento negativo que não é falado pode ser pior ainda, porque permanece frequentemente despercebido, ou é percebido só em parte. Devemos ver as pessoas com um olhar generoso, e criticar honestamente as atitudes específicas que consideramos erradas.

A visão geral que temos do outro deve ser positiva pelo menos por dois motivos. O primeiro é que o outro é, em parte, um espelho psicológico para nós. Em segundo lugar, cada ser humano possui, assim como nós, um potencial ilimitado para o bem. A crítica deve limitar-se, pois, ao detalhe, ao instante, ao aspecto isolado. Não se deve criticar alguém sem mencionar sinceramente algumas das suas virtudes. As pessoas de boa vontade lembram que cada ser humano possui em si as sementes da perfeição. Somos todos alunos e professores na escola da vida, e ajudamos a construir o caráter uns dos outros, inclusive através de processos telepáticos involuntários. 

O cidadão atento está consciente de si mesmo e do seu propósito em relação a cada situação concreta. Deste modo ele não é levado como uma folha seca pelo vento ilusório dos pensamentos alheios. O bom aprendiz espiritual busca ser plenamente consciente dos sentimentos e pensamentos que emite, e estuda com paciência o processo pelo qual ele colhe, a cada momento, os frutos que lhe correspondem. Gradualmente, ele aprende a plantar o bem. Então os pensamentos e sentimentos que produz, emite e transmite aos outros e à atmosfera astral passam a ser cada vez mais íntegros e ele se transforma em um centro de paz. É nisso que consiste a libertação espiritual.

Tudo no universo é feito de energia pulsante, e há inúmeros níveis de vibração. As cores, luzes e sons que percebemos, assim como as sensações de gosto, tato ou olfato, são todas ondas e faixas vibratórias. No ritmo das batidas do coração, no movimento dos pulmões e no fluxo de pensamentos e sentimentos, os movimentos da vida e a essência da matéria são cíclicos e ondulatórios. O seu ritmo, porém, nem sempre é percebido com nitidez. O oceano infinito da vida possui correntezas bastante diversas. Ligado a uma onda de vida, o ser humano usa seu livre arbítrio para estabelecer seu mantra individual, um modo de vibrar e de expressar a Lei Una. Mas ele não pode esperar que o que faz seja apenas seu. Tudo que vibra em um indivíduo se transmite a outros e retorna até a origem, não sem distorções e acréscimos.

Todo ser humano produz constantemente correntes vibratórias nos vários níveis do pensamento, da emoção e do mundo físico, e estas linhas de ação ficam registradas na luz astral para seu débito ou crédito. Os pensamentos e sentimentos criados passam a ter uma certa vida própria. O rumo e o efeito deles dependem, sobretudo, da intenção e da força com que foram emitidos. A aparência não conta: a crítica dura é bom carma quando a intenção é a superação do erro na direção da sabedoria. O elogio afável é mau carma, quando há insinceridade. A astúcia é o oposto da inteligência.

Existem formas positivas e negativas de telepatia, e a que interessa estimular prioritariamente é aquela que ocorre no nível da comunhão universal de todos os seres. Ninguém está separado. Nossos pensamentos, sentimentos e intenções criam uma faixa de sintonia magnética que nos une a tudo e a todos sobre os quais concentramos nossa atenção, e com os quais interagimos em nossa mente. A vida e o carma ouvem e registram nossos pensamentos. E cada ser humano pode melhorar a qualidade do “som oculto” único que lhe é peculiar, e que é produzido pela soma total de seus pensamentos, emoções e ações.   

O universo é um oceano, e ele possui um patamar superficial de vida onde há agitação e um aparente desencontro. Ao olhar mais profundamente, vemos que todas as coisas fluem em unidade no vasto mar dos pensamentos humanos. Aquele que assume plena responsabilidade sobre sua vida deixa de atuar de modo dispersivo. Ele concentra a energia vital em torno de metas permanentes. Ele adota um objetivo de vida que é digno da sua alma imortal.

As mais variadas provações são necessárias para que o progresso seja firme e durável, mas a paz interior passa a estar cada vez mais presente.

A mente ganha estabilidade, e surge um processo natural de distanciamento dos pensamentos desordenados. O olhar passa a ver mais longe, no espaço e no tempo. O céu da consciência individual fica claro, libertando-se de nuvens e tempestades desnecessárias. Surge então um forte sentimento de comunhão, e uma percepção mais consciente de pensamentos e sentimentos começa a acontecer sem grandes obstáculos.   

NOTAS:

[1] “The Key to Theosophy” (“A Chave Para a Teosofia”), Helena P. Blavatsky, Theosophy Company, Los Angeles, 310 pp., 1987, ver capítulo XIV, p. 291. Há várias edições da obra em língua portuguesa.

[2] “O Dhammapada”, edição luso-brasileira online dos nossos websites associados, capítulo 26, aforismo 406.  

[3] “Esoteric Writings”, T. Subba Row, Theosophical Publishing House, 576 pp., Índia, 1980, ver p. 130. Esta obra está disponível online em nossos websites associados.

[4] “Esoteric Writings”, T. Subba Row, Theosophical Publishing House, 576 pp., Índia, 1980, ver p. 131. A obra está disponível em nossos websites associados.

[5] “Esoteric Writings”, p. 135.

[6] “O Mundo Oculto”, de Alfred P. Sinnett, Ed. Teosófica, Brasília, 2000, 232 pp., ver pp. 130-131.

[7] Estas ideias estão presentes no artigo de Helena Blavatsky intitulado “Os Chelas São ‘Médiuns’?”. O artigo está disponível em nossos websites associados. Ele foi traduzido da coletânea de três volumes “Theosophical Articles”, de H.P. Blavatsky, Theosophy Company, Los Angeles, 1981, volume I, pp. 295-298.

000

A primeira versão do texto acima foi publicada pela revista “Planeta”, de São Paulo. A versão atual, ampliada pelo autor, foi publicada inicialmente no primeiro semestre de 2009 pela revista “Bodigaya”, de Porto Alegre.

Sobre telepatia e o surgimento das primeiras linguagens faladas da nossa humanidade, veja em nossos websites associados o texto “A Palavra e o Pensamento”, escrito pelo Visconde de Figanière.

000

Em setembro de 2016, depois de cuidadosa análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu formar a Loja Independente de Teosofistas, que tem como uma das suas prioridades a construção de um futuro melhor nas diversas dimensões da vida.

000 

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000