5 de março de 2014

Carma, Destino e Ética

Um Diálogo Sobre a Lei da Vida

Carlos Cardoso Aveline




Estudante A:

Qual é a relação entre a lei do carma e a lei da solidariedade?

Estudante B:

A relação nem sempre é fácil de ver. Mas é profunda e fundamental. Há uma ilusão perigosa na ideia de que “se uma pessoa sofre, é porque ela merece”. Esta crença leva à omissão de solidariedade e, em última instância, à hipocrisia. A pessoa pode não merecer o sofrimento, e isso ocorre em grande parte dos casos. Ainda quando ela o merece, é uma ingenuidade alguém que observa o sofrimento pensar simplesmente que “o carma não é meu, portanto não tenho nada com isso”. Um erro não justifica o outro, e a lei do carma não favorece o egoísmo. De que maneira se deve ajudar o próximo, porém? Esta é uma questão complexa. O mero sentimento de simpatia sincera pode ajudar muito. O melhor modo de ser altruísta não é ajudar materialmente este ou aquele indivíduo, e sim trabalhar pelo progresso espiritual da humanidade toda. 

Deixemos isso de lado, por enquanto, e examinemos mais de perto a ideia de que a injustiça e o sofrimento são, frequentemente, imerecidos. Quero mencionar cinco exemplos práticos a respeito. 

1) Na valiosa lenda dos Evangelhos, Jesus, evidentemente, não  merecia ser morto.

2) Nos últimos dois mil anos, a perseguição dos judeus não foi merecida, e nada justifica o massacre promovido no século 20 pelo nazi-fascismo.

3) O genocídio dos indígenas das três Américas nos últimos 500 anos - embora abençoado pelo clero cristão - foi um crime contra a humanidade, evidentemente imerecido e injustificável.

4) As crianças que morrem atualmente por falta de recursos e de médicos nos hospitais públicos brasileiros não merecem a morte.

5) As vítimas inocentes das guerras e do terrorismo nos últimos anos nada fizeram que justifique a violência contra elas.

A responsabilidade cármica por atos de injustiça não é das vítimas, mas de quem comete as injustiças. 

A valente defesa dos que são injustamente atacados constitui um preceito central em filosofia e em teosofia

Por algum motivo, a pseudoteosofia e um certo semiesoterismo frequentemente esquecem deste fato. Esta grave distorção da lei do carma deve ser apontada e esclarecida.

Estudante A:

Você está dizendo que os acontecimentos lamentáveis do tempo presente não são uma consequência mecânica do passado. Eles têm uma componente de carma novo, e a repetição cega do passado pode, e deve, ser interrompida. Nada nos impede de criar a cada instante um presente e um futuro melhores. 

Estudante B:

Exatamente: existe uma coisa chamada carma novo. 

Todo novo carma depende de quem age e não de quem sofre a ação. Mas quem recebe a ação também age, ao decidir como receberá a ação do outro. Para nós, é mais importante ver o presente como semente de futuro do que fruto do passado. Interessa saber que decisões tomamos a cada momento.    

Os Aforismos de Ioga de Patañjali ensinam que o mal que ainda não ocorreu pode ser evitado.

A legislação brasileira estabelece que todo cidadão tem o dever e o direito de interromper e impedir qualquer crime que esteja ocorrendo perto de si. A legislação brasileira não diz em momento algum que a responsabilidade cármica pelos atos de violência é das vítimas. Crimes não devem ser fantasiosamente imaginados como “atos de justiça cármica”.

As “Cartas dos Mahatmas” mostram que  tanto a natureza como  as pessoas cometem erros e injustiças, inclusive erros graves, que serão dinamicamente corrigidos pela lei do carma.

É verdade que, nos níveis inferiores de consciência, o carma é pesado e funciona de um lado como uma colheita mecânica do que se plantou, e de outro lado como um plantio cego que causará ainda mais sofrimento no futuro. Mas nos níveis superiores, os erros são corrigidos, ao invés de “castigados”; e o carma novo é criado conscientemente na direção correta. É para isso que aponta a teosofia. 

O objetivo da lei do carma não é de modo algum punir, mas ensinar a lei da harmonia. Não há ética alguma que justifique cruzar os braços e lavar as mãos diante das injustiças cometidas.

Estudante A:

Como funciona o conceito de fraternidade, na prática?  

Estudante B:

A fraternidade universal é dinâmica. O carma é a lei que preside a interação entre todos os seres. Ele regula os mais diferentes níveis de realidade do universo e do planeta. Os mestres de sabedoria não estão acima da lei do carma. Eles são mestres precisamente porque se identificaram com a lei do carma no que ela tem de mais elevado. Estão a serviço da Lei. Por esse motivo, não fazem favores pessoais a ninguém. Este é outro fato que a pseudoteosofia esquece.

O carma é a lei da ética e da harmonização constante. E podemos deduzir que, se existe necessidade de uma constante harmonização, é porque, em Kali Yuga - a era de longo prazo em que estamos - nem todas as ações ou situações são  justas, corretas e harmoniosas. Quem pensa que “o sofrimento é sempre merecido” talvez queira dizer a alguém que tenha perdido uma pessoa amada:

“Parabéns, amigo. Seu filho de cinco anos de idade morreu ontem, por falta de socorro em um hospital público. Isso é muito merecido. O carma não falha. Parabéns por corrigir desta forma seus graves erros do passado. Sorria e fique feliz.”

Quem pensa isso não conhece o funcionamento da lei do carma. Existem milhares de maneiras possíveis de compensar os erros do passado. Algumas são construtivas e curam as feridas. Outras são tão brutais que compensam, mas não corrigem, e apenas afundam as almas ainda mais na ignorância, o que levará a mais compensações, que, por sua vez, corrigirão ou não a situação. 

Estudante A:

Qual é, então, a alternativa?

Estudante B:

O axioma budista esclarece: “O ódio não se extingue pelo ódio, o ódio só se extingue pelo amor.” Assim, também, o sofrimento não se extingue pelo sofrimento, mas pela compreensão e pela ação correta. A função do movimento teosófico é elevar o nível do funcionamento da lei do carma, para que ela saia do círculo vicioso do ódio e da frustração que se realimentam.

A lei do carma precisa ser compreendida do ponto de vista da compaixão e da alma espiritual, ou não será compreendida. Não há lei do carma que justifique a injustiça praticada no instante presente. Não há carma que legitime a violência e o roubo praticados hoje. Não há carma que justifique a falta de piedade ou solidariedade. Se milhares de pessoas estão morrendo de fome neste momento na África, não há carma que justifique esta situação. Há explicações, seguramente. Nenhuma delas nos exime de agir solidariamente em relação à humanidade. O fato de que somos imperfeitos e de que nossa ação solidária será necessariamente falha tampouco justifica a indiferença ou a inação. 

Estudante A:

Observo que os erros obedecem a um movimento pendular, compensando carmicamente uns aos outros. Mas você menciona que nem toda compensação serve para libertar a alma do erro. 

Estudante B:

Erros diferentes compensam uns aos outros. Mas este “pêndulo de compensações” não é suficiente para corrigi-los. Na realidade, um erro não pode corrigir outro erro. Um erro só se corrige pela ação correta. Por isso devemos combater a fonte comum de todos os equívocos, e não apenas esta ou aquela ação errada isoladamente. E sem uma solidariedade profunda com quem sofre, não há nem pode haver uma compreensão autêntica da lei do carma. Quando observamos o processo vivo da interação entre Ignorância, Ilusão e Sofrimento, percebemos que é mais eficaz atuar a longo prazo, combatendo as CAUSAS do sofrimento coletivo, e plantando um Bom Carma de Sabedoria para Todos. 

Estudante A:

Normalmente se pensa que o carma é uma relação com o passado. Nos diálogos do e-grupo SerAtento, porém, o carma é visto sobretudo como uma relação com o futuro.

Estudante B:

De fato, o carma mais importante é aquele que está sendo plantado a cada momento. Este é o leme que dá direção à vida. Por outro lado, uma parte fundamental do carma do momento presente consiste em saber como colhemos o carma maduro do passado.

A luz astral é sutil e não funciona mecanicamente. O modo como o carma maduro “aterrissará” na terceira dimensão do espaço-tempo convencional está em ABERTO, até o momento em que ele toca o chão do plano concreto. Se houver frustração e ódio ao colhê-lo, ele tomará forma de um modo.  Se houver humildade, sabedoria e flexibilidade, será um processo diferente. A solidariedade no sofrimento faz uma diferença cármica decisiva para quem sofre, e também para quem é solidário. Solidariedade é uma energia búdica. Pertence ao eu superior. E, onde entra a inteligência da alma imortal, tudo se cura e todos se libertam interiormente, mesmo em meio a grandes dificuldades.

Estudante A:

Os omissos erram ao adotar a pose de sábios, como se fossem “demasiados santos para sujar as suas mãos com a defesa da ética”.

Estudante B:

Sem dúvida. Ao lavar as mãos com o ambíguo sabonete da omissão, eles sujam suas almas. É frio, e falso, o raciocínio segundo o qual “o carma dos outros não é meu carma”. É verdade que o carma tem uma forte dimensão individual, mas todos os carmas individuais interagem entre si o tempo todo. Acreditar na separação, pensando que não é preciso ser solidário, impede a ação da alma imortal, cuja inteligência é destituída da ideia ilusória de separação entre “meus interesses” e “interesses dos outros”.

“Tudo que é humano me diz respeito”, escreveu o pensador clássico Terêncio. Os numerosos exemplos de autossacrifício individual por uma causa nobre, presentes ao longo da história da humanidade, não surgem por acaso. Eles ocorrem porque o foco de consciência do indivíduo sábio está em sua alma espiritual e, portanto, o indivíduo já não vê distinção entre o que é bom para si mesmo e o que é bom para os outros.

Assim, quando a teosofia afirma que o passo inicial na caminhada é querer o bem da humanidade, ela está dizendo que a meta primeira de quem busca a sabedoria é erguer o foco da sua própria consciência até a alma espiritual. A alma superior busca a felicidade de todos os seres porque obedece, como por instinto, à Lei (cármica) da fraternidade universal.  

Estudante A:

Esta visão parece exigir uma certa dose de ética e de coragem. 

Estudante B:

Talvez. A atitude com que vivenciamos o sofrimento e a alegria é um fator decisivo. Vale a pena ter coragem diante do sofrimento próprio, solidariedade diante do sofrimento alheio, e humildade e moderação diante das nossas vitórias. 

Estudante A:

Deste ponto de vista, a lei do carma é uma lei da ética e da solidariedade. 

Estudante B: 

Sem dúvida. Os aspectos individuais do carma perdem importância, à medida que a compaixão é reconhecida como a Grande Lição a ser aprendida com ajuda da Lei do Carma. Ao agir movido pela boa vontade, o indivíduo ainda errará, sem dúvida. Mas, errando, ele aprenderá; enquanto que aquele que se omite comete um erro do qual não se tira facilmente lição alguma. 

O cidadão planetário sabe, por exemplo, que a devastação das florestas não é “um problema cármico das árvores, que devem ter cometido algum erro no passado”. 

Estudando filosofia esotérica, o cidadão percebe que a teosofia original faz despertar nele um sentimento de corresponsabilidade universal. E ele compreende que este sentimento estará na base das próximas civilizações.

Estudante A:

Sabemos que além de boa vontade é preciso discernimento. Em que condições a ação solidária é eficaz?

Estudante B:

Em sua obra “Sobre o Dever” (Livro I, item XIV), o pensador clássico romano Marco Túlio Cícero estabelece três condições para uma ação generosa. 

Em primeiro lugar, diz ele, a ação deve ser justa e não deve prejudicar ninguém. Em segundo lugar, ela deve ser proporcional aos meios e à possibilidade da pessoa que fará o bem. Finalmente, aquele que é objeto da generosidade deve merecer a ajuda. E é fácil ver que, do ponto de vista teosófico, ninguém merece mais ajuda do que o eu superior ou a alma imortal dos nossos semelhantes. O despertar da inteligência espiritual é a grande meta e também a necessidade histórica da evolução humana no século 21.

000

Uma versão inicial do texto acima foi publicada de modo anônimo na edição de junho de 2009 de “O Teosofista”.

000

Em setembro de 2016, depois de cuidadosa análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu formar a Loja Independente de Teosofistas, que tem como uma das suas prioridades a construção de um futuro melhor nas diversas dimensões da vida.

000 

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000