5 de novembro de 2015

Longfellow e o Ensinamento Esotérico

 O Poema que Inspirou o Lema da
Escola Interna de Helena Blavatsky
 
Carlos Cardoso Aveline



Ao concluir em 1890 as explicações preliminares da Instrução III da sua Escola Esotérica, Helena P. Blavatsky mencionou “um grande poeta norte-americano”, que a pesquisa revela ser Henry W. Longfellow.

Dirigindo-se a aqueles, entre os seus alunos, “a quem nenhum sacrifício que os leve à VERDADE eterna fará jamais desanimar”, H.P.B. adotou uma ideia do poeta como lema da sua Escola interna:  

“Para cima e para a frente, sempre.”

E acrescentou:   

“Que este seja o lema da Escola Esotérica, simbolizando a Morte do egoísmo e do pecado através do claro alvorecer da ressurreição da Ciência Divina conhecida como TEOSOFIA.”[1]

Todo conhecimento verdadeiro produz um efeito probatório.

Pouco depois da morte de HPB, a Escola fundada por ela foi distorcida por Annie Besant e outros, e usada como instrumento para obter poder político dentro do movimento teosófico.

No entanto, o problema que foi criado deste modo pertence, principalmente, ao mundo externo. A real escola esotérica não está localizada no plano material da vida. Os ensinamentos internos transcendem as burocracias e possuem no século 21 a mesma vida de sempre. O poema de Longfellow, citado indiretamente por HPB, exemplifica a linguagem universal e ilimitada da sabedoria de todos os tempos. [2]

A frase “Para cima e para a frente, sempre” é uma tradução do título do poema a que HPB se refere sem mencionar o nome de Longfellow. Nós o veremos agora. Seus versos descrevem a busca individual daquilo que é eterno e divino. Uma vez que a decisão é tomada, o peregrino deve buscar constantemente por horizontes mais amplos, até que ele deixa de lado por completo a ignorância. Longfellow escreveu estas linhas carregadas de simbolismo: 

Excelsior

A noite com suas sombras cai depressa;
A aldeia alpina aos poucos atravessa
Um jovem, que ergue, em meio à neve em sanha,
Uma bandeira, com a divisa estranha,
            Excelsior!

Sua cor é triste, mas sua vista alçada
Lembra uma espada desembainhada,
E a sua voz qual clarim de prata erguida
Lança os sons de uma língua nunca ouvida,
            Excelsior!

Casas felizes ele vê, brilhando
Ao fogo quente, familiar e brando;
Mais ao alto espectral geleira ao vento,
E de seus lábios se escapa um lamento,
            Excelsior!

“Não tentes a Passagem”, diz-lhe um velho,
“Já ergue a tormenta o seu manto vermelho,
Rugem as águas sem olhar que as sonde!”
E a alta voz de clarim só lhe responde,
            Excelsior!

“Oh! fica”, diz-lhe a virgem, “e em meu seio
Deita a fronte cansada sem receio!”
Nubla-lhe um pranto o olhar azul erguido,
Mas ele ainda responde, com um gemido,
            Excelsior!

“Teme os galhos na treva borrascosa!
Teme a uivante avalanche pavorosa!”
São o último boa-noite de quem fica,
E uma voz, longe no alto, lhes replica,
            Excelsior!

Nascido o sol, no divino resguardo
Dos santos ermitões de São Bernardo
Quando o salmo de sempre é repetido,
Uma voz grita no ar estremecido,
            Excelsior!

Na neve um viajor, semienterrado,
Pela matilha fiel é encontrado,
Tendo em sua mão de gelo branca e lisa
A bandeira, com a estranha divisa,
            Excelsior!

Lá, onde a noite fria e cinza pousa,
Sem vida, mas tão belo, ele repousa,
E do céu, sereníssima e clemente,
Desce uma voz, como estrela cadente,
            Excelsior!


A ideia de avançar “Para cima e para a frente, sempre” transmite a mesma mensagem de outro poema admirado por HPB e que ela citou em várias ocasiões: “Up-Hill” (“Morro Acima”), de Christina Rossetti. [4]

A busca da sabedoria é uma peregrinação individual que não pode ser transferida para alguma organização terrestre, seja ela chamada de “escola esotérica” ou não. Não existe um livro de receitas convencional para aqueles que querem alcançar a sabedoria, e um Mahatma dos Himalaias escreveu:

“Na Ciência Oculta os segredos não podem ser transmitidos subitamente, mediante uma comunicação escrita, nem mesmo oral. Se fosse assim, tudo o que os ‘Irmãos’ teriam que fazer seria publicar um Manual de Instruções que poderia ser ensinado nas escolas, ao lado da gramática. (….) A verdade é que, até que o neófito atinja a condição necessária para aquele grau de Iluminação para o qual ele está qualificado e apto, a maior parte dos segredos, se não todos eles, é incomunicável. A receptividade deve ser tão grande quanto o desejo de instruir. A iluminação deve vir de dentro.” [5]

Quanto à luta inevitável entre o peregrino sincero e o erro consciente, Longfellow traduziu estas linhas de Friedrich von Logau:

Verdade

Quando à noite os sapos estão coaxando,
Acenda o fogo de uma só tocha,
E veja! Todos eles ficam em silêncio!
Do mesmo modo a Verdade silencia o mentiroso. [6]

A sinceridade é um talismã eficaz e uma fonte de luz para todos. Na medida em que o peregrino tenta o melhor e aprende com os erros, ele é um vencedor, e a morte não existe para ele. Formas externas são deixadas de lado de tempos em tempos, enquanto a verdadeira vida continua a fluir para o alto e para adiante.  

NOTAS:

[1] “Collected Writings of H. P. Blavatsky”, TPH, EUA, volume XII, p. 599.

[2] Veja em nossos websites associados o texto “Uma Escola Esotérica de Três Mil Anos”.
  
[3] “The Works of Henry Wadsworth Longfellow”, The Wordsworth Poetry Library, Reino Unido, 1994, 886 pp., pp. 66-67. A boa tradução do inglês foi feita por Alexei Bueno.

[4] Veja por exemplo a abertura do artigo “O Progresso Espiritual”, de Helena Blavatsky. O poema de Christina Rossetti também é citado nas Cartas dos Mahatmas. Em inglês, saiba mais sobre a teosofia presente no poema “Up-Hill” lendo o artigo “The Up-Hill Road”. Os dois textos estão disponíveis em nossos websites associados.  

[5] “Cartas dos Mahatmas”, Editora Teosófica, volume I, Carta 20, p. 134.  

[6] “The Works of Henry Wadsworth Longfellow”, The Wordsworth Poetry Library, p. 141.  

000

Uma primeira versão do texto “Longfellow e o Ensinamento Esotérico” foi publicada anonimamente em “O Teosofista”, edição de setembro de 2015, pp. 14 a 16, sob o título de “Para Cima e Para a Frente, Sempre”.

000

Sobre o crescimento interior e a transformação pessoal no século 21, leia a obra “O Poder da Sabedoria”, de Carlos Cardoso Aveline.


O livro foi publicado pela Editora Teosófica, de Brasília, tem 189 páginas divididas por 20 capítulos e inclui uma série de exercícios práticos. Está na terceira edição. 

000