4 de março de 2017

A Importância da Disciplina

Tranquilidade Resulta do Cumprimento do Dever

Joana Maria Pinho

A Importância da Disciplina



O caminho espiritual corresponde ao caminho do Todo e da Lei.

Ser autodisciplinado implica criar e seguir um método de aprendizagem que conduza ao equilíbrio e à verdade e esta é uma proposta em Teosofia:

“Se examinares alguém que é autodisciplinado e purificado pela filosofia, verás que nele tudo é saudável, verdadeiro e correto.” [1]

Todas as partículas do universo têm seus conjuntos de leis, “filhas” da lei maior.

Observando a natureza é possível verificar que a disciplina está em toda parte e que é necessária a toda atividade livre, correta e eficaz.

O cumprimento do dever, em qualquer circunstância, possibilita a marcação do ritmo necessário para que essa nota ecoe no espaço e assim participe da melodia maior. Aqueles que vivem a autodisciplina fazem a diferença no mundo, trazem o avanço, provocam o progresso.

“O Dhammapada” ensina:

“Quem faz canais de irrigação conduz as águas.  Os flecheiros dão forma às flechas. Os carpinteiros dão forma à madeira. Os sábios disciplinam a si mesmos.” [2]

A satisfação dos prazeres momentâneos e egoístas constroem muros que nos separam da tranquilidade e plenitude, e é optando pelo Todo que se derrubam todos eles. Podemos ler no texto “O Papel da Autodisciplina”:

“O autodisciplinado se contenta com pouco, mas o preguiçoso é insaciável. Quando alguém não limita a si mesmo, será limitado pela vida. Se as dificuldades da vida nos parecem demasiado duras, talvez estejamos sendo demasiado moles com nós mesmos. A autodisciplina é fonte de humildade e paz. Graças a ela, o ser humano sensato pode abraçar a simplicidade voluntária.”

E ainda:

“Naturalmente, a autorrestrição da vida simples só faz sentido se formos capazes de escutar a voz da nossa própria consciência. Para isto, é necessário obter níveis crescentes de autoconhecimento, isto é, de conhecimento do nosso Verdadeiro Eu. Dele resultam a ação correta e a harmonia. Estes dois processos produzem uma mente aberta e um coração honesto, que fazem nascer a autolibertação interior. Em última análise, portanto, a autodisciplina leva à liberdade, mas a não-disciplina leva à prisão.” [3]

A disciplina brota de forma natural através do autoconhecimento, da visão elevada da vida - correta, justa e altruísta. É esta a disciplina criadora de bondade e altruísmo.

Cumprindo o dever, encontramos a tranquilidade e o bem-estar:

“A disciplina é a estrada que leva à plenitude da vida.” [4]

Entrego-me ao dever do autoaperfeiçoamento, do amor e da verdade. Esta é a melhor forma de respeitar o Ser maravilhoso que há em cada um de nós.

NOTAS:

[1] Do texto “Preceitos e Axiomas do Oriente - 05”, de Helena P. Blavatsky, publicado em nossos websites associados.  

[2]O Dhammapada”, Capítulo Seis, versículo 5. A obra está disponível em nossos websites.

[3] O Papel da Autodisciplina”, de Carlos Cardoso Aveline. O artigo pode ser encontrado em nossos websites associados.

[4] Amor e Disciplina”, de Matthew Kelly. O texto está publicado em nossos websites.

000

Uma versão inicial do artigo acima foi publicada na edição de março de 2013 de “O Teosofista”, pp. 9-10.

000

Em setembro de 2016, depois de cuidadosa análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu formar a Loja Independente de Teosofistas, que tem como uma das suas prioridades a construção de um futuro melhor nas diversas dimensões da vida.

000 

Sobre o crescimento interior e a transformação pessoal no século 21, leia a obra “O Poder da Sabedoria”, de Carlos Cardoso Aveline.


O livro foi publicado pela Editora Teosófica, de Brasília, tem 189 páginas divididas por 20 capítulos e inclui uma série de exercícios práticos. Está na terceira edição. 

000