4 de março de 2017

Rompendo a Manipulação Mental

Nações Inteiras Estão Sob Hipnotismo, Fato
Que os Cidadãos Podem Constatar e Desmascarar

Carlos Cardoso Aveline

Rompendo a Manipulação Mental
A capa de duas edições do best-seller de Vance Packard



Helena Blavatsky antecipou em 1887 que nações inteiras poderiam cair sob o domínio de técnicas de manipulação mental.

Ela indicou a alternativa e a cura para o problema. Cada cidadão deve tornar-se autovigilante e autorresponsável. Também é necessário desmascarar a “magia egoísta” que ocorre nos processos de controle mental em grande escala.

Desde os anos 1920, o nazismo, o fascismo e o stalinismo foram exemplos notáveis do uso de técnicas de controle mental em massa. Em 1948, o problema da manipulação coletiva de pensamentos e emoções foi denunciado por George Orwell em seu famoso livro “1984”.

A partir da década de 1950, variedades “mais sutis” de controle das mentes surgiram incorporando e atualizando os instrumentos usados em décadas anteriores.

Vance Packard (1914-1996) fez uma investigação reveladora sobre o modo como a propaganda moderna manipula milhões de cidadãos através dos seus medos e desejos subconscientes.

A propaganda de hoje, conforme demonstrado por Packard, usa os impulsos e frustrações íntimos das pessoas para vender qualquer coisa, desde gasolina e roupa até políticos de direita ou esquerda. Uma grande proporção das chamadas “necessidades de consumo” da nossa sociedade é criada artificialmente. 

Além do comportamento econômico, as opiniões “pessoais” do público são produzidas através de processos subconscientes por empresas da área de propaganda que ganham fortunas para determinar que as escolhas e preferências dos cidadãos obedecerão ao desejo do pagador.

Grandes empresas garantem acesso à mente subconsciente dos compradores e registram ali o que querem.

Os dias em que a propaganda existia para informar o público estão no passado: desde os anos 1950, mecanismos subconscientes de controle mental se espalharam, e agora a propaganda com frequência usa os mais íntimos sentimentos das pessoas de modos difíceis de prever.

Assim, aquilo que não é necessário pode ser visto como indispensável, e ideias nocivas podem ser consideradas agradáveis. Cabe a cada cidadão consciente evitar tais armadilhas, e ajudar outros a fazer o mesmo.

No ano de 1957, Vance Packard escreveu em sua obra clássica “Nova Técnica de Convencer”:

“Este livro é uma tentativa de explorar um novo setor da vida moderna, estranho e bastante exótico. Trata-se da maneira como muitos de nós estamos sendo influenciados e manipulados - muito além do que percebemos - nos padrões de nossa vida cotidiana. Estão sendo feitos, com êxito impressionante, esforços em ampla escala para canalizar nossos hábitos irrefletidos, nossas decisões de compra e nossos processos de pensamento, com o emprego de conhecimentos buscados na psiquiatria e nas ciências sociais. Tipicamente, esses esforços se verificam abaixo do nosso nível de consciência, de tal modo que os apelos que nos influenciam são muitas vezes, em certo sentido, ‘ocultos’.”

Packard acrescentou:

“Parte da manipulação que está sendo tentada é simplesmente divertida. Outra parte é inquietadora, principalmente quando encarada como um prenúncio do que talvez esteja reservado a todos nós, no futuro, em escala mais intensa e efetiva. Cientistas dispostos a cooperar surgiram providencialmente para fornecer alguns instrumentos impressionantes. O emprego da psicanálise de massa para orientar campanhas de persuasão tornou-se a base de uma indústria multimilionária. Persuasores profissionais recorreram a ela em sua procura de meios mais eficazes para nos vender seus artigos - sejam eles mercadorias, ideias, atitudes, candidatos, objetivos ou estados de espírito.”

O dinheiro cumpre com frequência o infeliz papel de Deus, em operações que envolvem moeda. Packard escreveu:

“Esse processo de profundidade para influenciar nosso comportamento está sendo empregado em muitos setores, através de uma variedade de técnicas engenhosas. É usado mais amplamente para influenciar nossos atos cotidianos de consumo. A venda, a nós, de bilhões de dólares de produtos está sendo significativamente afetada, se não revolucionada, por esse processo, que ainda mal está em sua infância. Dois terços dos cem maiores anunciantes dos Estados Unidos empenharam-se em campanhas baseadas nesse processo de profundidade, utilizando-se de estratégias inspiradas pelo que os vendedores chamam de ‘análise da motivação’.”

Os cidadãos são tratados como animais e “amestrados” em seus medos e desejos instintivos:

“Entrementes, muitos dos principais especialistas em relações públicas nos Estados Unidos vêm-se instruindo no conhecimento da psiquiatria e das ciências sociais, a fim de aumentar sua aptidão de ‘fabricar’ nosso assentimento às suas propostas. Angariadores de fundos estão se voltando para o processo de profundidade a fim de tirar de nós mais dinheiro. Número considerável e crescente de nossas empresas industriais (inclusive algumas das maiores) está procurando selecionar e modelar o comportamento de seu pessoal - particularmente seus próprios chefes - com o emprego de técnicas psiquiátricas e psicológicas. Finalmente, esse processo de profundidade está-se evidenciando em plano nacional no emprego intensivo, pelos políticos profissionais, da manipulação e reiteração de símbolos sobre o eleitor, que cada vez mais é tratado como o cão condicionado de Pavlov.” [1]

No século 21, o problema da manipulação mental em grande escala está ainda maior, conforme anunciou corretamente Packard. É um dever dos indivíduos de boa vontade enfrentar a questão. O movimento teosófico não tem razões para postergar esta tarefa, nem para fingir que ela não faz parte da sua agenda.

Fabricando Bolhas de Opinião Coletiva

Instrumentos de hipnotismo de massa estão vergonhosamente envolvidos na política e na economia atuais.

A indústria da propaganda produz “opinião” individual e pública. Os indivíduos que têm consciência disso podem manter distância da feitiçaria eletrônica, preservando respeito pela sua própria consciência e pela consciência dos outros.

Desde uma perspectiva teosófica, a liberdade de pensamento não se limita a escolher entre este e aquele partido político, produto no supermercado ou jornal na banca de revistas. É uma escolha mais profunda do que a feita entre dois autores, duas linhas de pensamento ou canais de televisão. Olhando a vida com desapego, podemos ir além de um horizonte tão estreito.

A sociedade atual nos oferece um “consenso” fabricado artificialmente, cujos princípios básicos e fundamentais não são examinados, e o seu exame é evitado, porque eles são falsos. Tais premissas são transmitidas subconscientemente às massas. Entre elas está a ideia de que a felicidade deve ser obtida através de dinheiro, fama, ou posição social; e talvez pela obediência a alguma religião, igreja ou seita.

Se alguém adota como sua tal ideia, seja de modo consciente ou subconsciente, todas as outras escolhas na vida serão também distorcidas por esta Ilusão da Era Atual. A liberdade de pensamento é mais profunda do que o nível em que se escolhe entre esta e aquela opinião. A liberdade inclui a decisão e a audácia de escutar a nossa própria consciência. Mesmo que a ignorância organizada pareça poderosa, não há razão para temer a opção pela verdade. A prática demonstra que a Verdade costuma prevalecer.

Grandes bolhas de ilusão estão sendo destruídas agora e outras deixarão de existir nos próximos anos. A consciência de cada indivíduo é parte do campo de batalha planetário em que ocorre o nascimento de um novo nível de compreensão, pessoal e coletivo.

NOTA:

[1] “Nova Técnica de Convencer”, Vance Packard, IBRASA, SP, 1965, 247 pp., páginas 1-2.

000

Uma versão inicial do artigo acima foi publicada sem indicação de nome de autor na edição de julho de 2016 de “O Teosofista”, páginas 3 a 6, sob o título de “Manipulação Mental Coletiva”.

000

Em setembro de 2016, depois de cuidadosa análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu formar a Loja Independente de Teosofistas, que tem como uma das suas prioridades a construção de um futuro melhor nas diversas dimensões da vida.

000 

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000