30 de agosto de 2017

Oito Provérbios da Rússia

A Presença do Saber
Teosófico na Tradição Popular

Carlos Cardoso Aveline




O conhecimento eterno está presente na alma dos povos e pode ser encontrado na vida cotidiana.

De um pequeno livro de antigos provérbios russos, selecionamos oito pensamentos que merecem comentário desde um ponto de vista teosófico.[1] Vários deles são populares também no mundo lusófono.

Um

Não cuspa no prato em que você come. Não suje a água do poço; mais tarde você desejará beber dela.” (p.4) [2]

A falta de gratidão revela um déficit em inteligência. A decisão de preservar as fontes do bem-estar comum resulta do respeito por si mesmo.

Dois

Não arme uma cilada para outra pessoa, porque você mesmo poderá cair nela.” (p.45)

O feitiço se volta contra o feiticeiro. Evite ser injusto com os outros, porque o que se planta, se colhe. Ajude os seus semelhantes, e embora o seu caminho possa parecer difícil, a felicidade interior acompanhará você.

Três

Se você perseguir duas lebres, não agarrará nenhuma.” (p.37)

Matar animais não é uma boa ideia. Além da questão ética, milhões de pessoas já perceberam que a alimentação vegetariana leva a uma vida mais longa e saudável. No entanto, a ideia central deste ditado popular merece um exame.

A busca de múltiplos objetivos nem sempre é prejudicial. Ela não causará dispersão mental se as metas forem mutuamente compatíveis, e se o fato de alcançar uma delas tornar mais fácil conquistar a outra. O discernimento e a generosidade, por exemplo, são duas metas que se reforçam, assim como coragem e prudência, ou confiança e equilíbrio.

No entanto, quando dois objetivos são mutuamente excludentes, eles geram confusão e derrotam-se um ao outro. Isso é o que ocorre se há emoções egoístas ao lado de pensamentos generosos. Existem centenas de maneiras de buscar metas mutuamente contraditórias, que levam à derrota. O peregrino deve ter uma trajetória definida, deixando de lado qualquer questão secundária no momento em que ela entre em choque com a prioridade central.

Quatro

É bom saber a verdade, mas ser feliz é melhor ainda.” (p.32)

Visto no sentido literal, o axioma é falso. Na prática, ninguém tem que escolher entre conhecer a verdade e ser feliz. As duas coisas não existem separadas uma da outra. O caminho da felicidade consiste em alcançar a verdade. No entanto, o quarto axioma indica algo mais sutil e assinala um fato que está além do aparente erro. Duas ilusões precisam ser evitadas:

1) A pretensão de ser dono da verdade, e
2) A tentativa de impor a nossa opinião aos outros.  

É inegável que um nível alto de sinceridade provoca sofrimento e incompreensão numa sociedade governada pelas regras da hipocrisia. Mas a vivência probatória pertence ao eu inferior. A bem-aventurança flui dentro da alma do peregrino ao mesmo tempo que o sofrimento ocorre nos níveis inferiores de consciência.

É falsa, portanto, a ideia de que alguém que renuncia à verdade será mais feliz do que aquele que é leal a si mesmo e tem respeito pelos fatos. Uma coisa pode ser dita com segurança:

“Talvez pareça agradável abandonar o realismo, e fingir para nós mesmos e para os outros que somos donos da verdade; porém na prática é muito melhor ser sincero, humilde, e internamente feliz.”

Cinco

É melhor uma paz ruim do que uma boa briga.” (p.31)

Uma paz imperfeita é útil, sempre que ela puder ser melhorada pouco a pouco: é algo valioso. No entanto, se uma paz ruim não puder tornar-se boa, e se ela for apenas um período de preparação para um conflito pior, não haverá vantagem em postergar o acerto de contas.

Um conflito feito na fase inicial das discordâncias com frequência previne destruição em grande escala. A supressão artificial das diferenças costuma abrir a porta para altos níveis de hipocrisia, depois o ódio - e finalmente a guerra. Vale a pena restabelecer a justiça enquanto o problema não assume proporções maiores.

Seis

Não serre o galho da árvore em que você está sentado.” (p.14)

Aquele que tem bom senso pensa antes de agir. Toda ocasião é propícia  para lembrar e proteger a fonte fundamental da nossa existência. Como no jogo de xadrez, o peregrino espiritual estuda antecipadamente as consequências do que fará. Nem sempre é fácil evitar tolices: tome decisões bem pensadas, e não se arrependerá delas.

Sete

Se a pele e os ossos permanecem, a força surgirá outra vez.” (p.42)

A vida flui de acordo com a lei das marés. Se nos momentos difíceis preservarmos aquilo que é essencial, seremos capazes de fazer progresso outra vez no futuro e aproveitaremos as oportunidades renovadas assim que elas surgirem.

Oito

Bata enquanto o ferro está quente.” (p.23)

Saiba a hora certa de agir: nem sempre vale a pena malhar em ferro frio. Frequentemente as coisas precisam de uma alta temperatura cármica, para mudarem.

As condições necessárias a uma melhora real não são todas agradáveis e prazenteiras. O peregrino deve saber qual é sua meta e concentrar-se nela.

O objetivo e o método são nobres, elevados? São dignos da voz da sua consciência? Neste caso, realize as tarefas práticas que construirão circunstâncias favoráveis. E quando tiver a possibilidade de fazer um progresso significativo, não deixe de agir. Dedique ao esforço a quantidade suficiente de atenção e perseverança.

NOTAS:

[1] “Russian Proverbs”, de Chris Skillen, ilustrações de Vladimir Lubarov, Appletree Press, Belfast, 1994, 59 páginas. Indicamos o número da página ao final de cada citação.

[2] Tradução literal do inglês: “Não cuspa no poço, mais tarde você desejará beber”.

000

Em 14 de setembro de 2016, depois de uma análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu criar a Loja Independente de Teosofistas. Duas das prioridades da LIT são tirar lições práticas do passado e construir um futuro saudável.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000