20 de fevereiro de 2013

Krishnamurti e a Teosofia

O Avatar Que Propõe o Não-Funcionamento do Cérebro

Carlos Cardoso Aveline

J. Krishnamurti (esquerda) nunca estudou os grandes sábios de todos os tempos,
ignora em seus escritos a existência da lei do carma, e jamais  leu Helena Blavatsky



Qual é a verdadeira relação entre o pensamento de Jiddu Krishnamurti e a teosofia original?

A pergunta é relevante, porque Krishnamurti ainda é visto como uma fonte de inspiração por grande número de teosofistas e esoteristas ingênuos, mas bem intencionados.

Uma observação isenta e equilibrada da obra de Krishnamurti mostra que ele faz claramente o seguinte, em seus livros e vídeos:

1) Ignora a existência da lei do carma;

2) Desconhece a existência da lei da reencarnação;

3) Ignora a existência do discipulado;

4) Nega a existência de um Caminho a ser percorrido laboriosamente e por mérito próprio;

5) Ignora a existência de Mestres, ou Iniciados em Ciência Esotérica;

6) Desconhece a existência de uma Ciência ou Filosofia Esotérica;

7) Desconhece a existência de um Eu Superior ou alma imortal presente no eu inferior;

8) Ignora a importância do estudo das escrituras das diferentes religiões antigas;

9) Desconhece a existência de uma tradição esotérica autêntica;

10) Nega ou ignora a importância do movimento teosófico;

11) Nega a  importância da Razão e do raciocínio, e descreve o pensamento como processo nocivo ao bem-estar humano;

12) Jamais leu alguma obra de Helena Blavatsky, nem teve alguma vez interesse pelos grandes sábios de todos os tempos;

13) Não parece reconhecer a importância da democracia, da Organização das Nações Unidas, ou dos direitos humanos.

Ou seja, Krishnamurti não só ignora todos os ensinamentos teosóficos, mas também contradiz a maior parte deles. Ele é o “avatar” que defende o não-funcionamento do cérebro. Como se pode explicar ou entender a origem de uma atitude aparentemente tão contrária à razão?

A verdade é que o  pensamento materialista, contra o qual se ergue Krishnamurti,  é mecânico, frio, não tem ética e desconhece emoções nobres.

Mesclado a uma astúcia sem alma, o pensamento egoísta gera uma reação emocional e uma rejeição instintiva, pelas quais o cidadão desinformado trata de negar toda e qualquer forma de pensamento, e convence a si mesmo de que o próprio ato de pensar é ruim.  O pensamento passa a ser visto então como algo pior que inútil. Jiddu Krishnamurti caiu nesta ilusão. Indicando o caminho inicialmente fácil da preguiça mental, suas obras têm levado milhares de pessoas para o terreno ilusório do desprezo pela razão. Seus leitores ficam presos ao beco sem saída da ausência de pensamento.

O que os seres de boa vontade necessitam fazer, para resgatar a paz e a sabedoria? Eles devem optar pelo oposto do falso caminho indicado por Krishnamurti.  É necessário reforçar a relação direta entre pensamento, emoção e ação. Desprezar o pensamento - assim como desprezar o sentimento - produz apenas a interrupção parcial ou total de Antahkarana, a ponte entre eu superior e eu inferior.

Ao reunir o pensamento, o sentimento e a ação, o ser humano dotado de bom senso atrai a presença direta do seu próprio eu superior na vida cotidiana, e esta é a opção correta.

Devemos amar o que pensamos, e pensar e compreender o que amamos. O pensamento correto convive bem com as emoções sinceras. Ele flui em harmonia com o silêncio, e disso surge a ação correta.

Os estados de consciência realmente meditativos transcendem o pensamento,  mas eles não o negam, nem o desprezam. Do mesmo modo, a consciência do eu superior  transcende o corpo físico, mas ela não o despreza: antes o valoriza como instrumento valioso da Caminhada Maior.

Para que a aprendizagem seja feita com eficácia, os sete níveis de consciência devem ser valorizados e usados corretamente. Corpo físico, emoções e pensamentos são todos purificados e usados como instrumentos para o bem, quando surge a sabedoria na vida de alguém. Nada do que é humano deve ser desprezado, muito menos o pensamento; mas devemos praticar o pensamento correto, como ensinam o budismo e a teosofia.

000

Uma versão inicial do texto acima  foi publicada de modo anônimo na edição de setembro de 2009 de “O Teosofista”.

000

Veja em nossos websites associados o artigo “Fabricando um Avatar”, que aborda a tentativa do início do século vinte de apresentar Krishnamurti ao mundo como se ele fosse Cristo. A farsa foi abandonada em 1929.

000

Em setembro de 2016, depois de cuidadosa análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu formar a Loja Independente de Teosofistas, que tem como uma das suas prioridades a construção de um futuro melhor nas diversas dimensões da vida.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:


000