4 de abril de 2013

Um Diálogo Sobre Teosofia Prática

Avaliando o Dia-a-Dia da Caminhada Espiritual

Carlos Cardoso Aveline




Pergunta:

De tempos em tempos, todos enfrentamos dificuldades pessoais e profissionais. O que a teosofia tem a dizer sobre os desafios práticos e específicos da vida diária?

Comentário:

A teosofia clássica confia na autonomia de cada estudante. Ela o estimula a tomar suas próprias decisões, sugerindo que observe os resultados e tire lições da experiência acumulada. A teosofia ensina uma visão de universo e de ser humano. Ela dá elementos para o despertar autônomo e fraterno da consciência da alma imortal. Os desafios da vida diária são apenas o carma maduro, que deve ser enfrentado a partir de um pensamento correto, um esforço consciente e uma motivação definida.

Pergunta:

De que modo o estudo de filosofia amplia concretamente a nossa visão da vida?

Comentário:

A filosofia esotérica nos volta para as grandes questões do universo e isso provoca reações no mundo das rotinas pessoais. Em cada aspecto da vida, há sempre um eixo simétrico: se algo se amplia, alguma outra coisa deve diminuir. Cresce a alma imortal, e o eu inferior fica mais reduzido. Daí a necessidade de renúncia e desapego por parte do eu inferior e emocional. Só assim ele poderá enfrentar os testes, as provações e a perda de coisas e situações a que ele se apegava. À medida que a alma imortal se amplia, o eu inferior é crucificado, na pior das hipóteses: ou, na melhor das hipóteses, ele é reduzido, simplificado, e se coloca a serviço do eu superior, da alma imortal. Ninguém trilha impunemente o caminho espiritual autêntico. Mas quando abrimos mão do que é pequeno, descobrimos a libertação nas grandes verdades universais. A causa do medo e do sofrimento vai perdendo força até desaparecer.  O medo profundo da morte e o medo da solidão são finalmente desmascarados como farsas criadas pela falta de informação sobre o Caminho.

Pergunta:

É verdade que todo aspirante à sabedoria teosófica estará sozinho e acompanhado, ao mesmo tempo?

Comentário:

Sim. À medida que o estudante aprende a pensar por si mesmo, ele rompe com os mecanismos da ignorância coletiva e isso o lança a uma relativa solidão. Quem pensa por si mesmo deve abrir caminho novo. Por outro lado, o estudante descobre que tudo no universo está inter-relacionado e alcança uma nova percepção da unidade da vida, de modo que a solidão que sente é superficial, mas a plenitude é profunda. O estudante, como o poeta, conversa com as estrelas sem necessidade de palavras.  

Para o cidadão que não estuda a sabedoria, pode ocorrer o contrário. Superficialmente ele está acompanhado. Aparentemente tem muitos amigos,  mas há uma solidão interior que o ameaça, uma perda de significado da qual não consegue fugir por muito tempo.  

Pergunta:

Muita gente tem sofrimentos e preocupações na área familiar. Qual é o ponto de vista correto para encará-los?

Comentário:

A família é um campo de testes.  O trabalho, igualmente. Tudo na vida  são lições. A simplicidade conduz à sabedoria. Cada obstáculo é uma aula, e a  nossa função como aprendizes é saber ler os vários aspectos da vida, percebendo-os como expressões do ensinamento universal.

Pergunta:

Isso não surge gratuitamente.  É preciso estudar e aprender a pensar. E como se pode criar a paciência necessária para ler todos os textos de teosofia? Nem sempre eles são fáceis.  

Comentário:

Basta perceber a inutilidade de todos os interesses de  curto prazo. 

A maior parte das coisas urgentes são, na verdade, destituídas de importância. Quase todas as coisas realmente importantes não parecem ser urgentes. Compreender esta diferença é suficiente para mudar a vida de qualquer um.

Se alguém pretende estudar teosofia com verdadeira  paz-ciência,  é preciso ter a coragem de deixar de lado as coisas urgentes que não são importantes,  para abraçar a busca da Verdade, que é de importância fundamental, mas não parece urgente.

É morrendo para os assuntos mortais que se nasce para o mundo imortal.

Pergunta:

Entendo que além de paciência o estudante deve possuir humildade.

Comentário:

Sem dúvida. O mesmo vale para o professor, aliás: e na escola da vida somos todos alunos e professores ao mesmo tempo. Perceber isso nos liberta da fantasia da importância pessoal.

A vaidade é uma prova de que o indivíduo não convive com as inteligências divinas. O contato interno e real com o eu superior e outras instâncias de consciência elevada desperta inevitavelmente o prazer de ser um grão de areia à beira do Oceano. É esta satisfação individual de ser uma parte pequena de um todo maior que nos permite aprender algo da sabedoria universal.

Os sentimentos fazem parte da caminhada, tanto quanto os pensamentos e as ações, e a humildade é uma virtude emocional. Há uma clara emoção implícita  na famosa frase de Sócrates: “Só sei que nada sei”. A palavra filo-sofia quer dizer “amor à sabedoria”, e também “amor à verdade”. A verdade só é encontrada por alguém que a ama em si mesma e incondicionalmente. Neste contexto, o estudante deve olhar para seus próprios sentimentos e avaliar se eles são verdadeiros. Será que os seus sentimentos estão sempre à altura das verdades e dos conceitos que ele estuda em filosofia esotérica? 

A humildade natural do eu inferior permite transferir o foco da consciência para os níveis superiores de consciência,  e para os assuntos universais que dizem respeito a eles. Mas em tudo é preciso vigilância: humildade não implica falta de firmeza nem abandono do discernimento próprio. Humildade e firmeza não são opostos. É necessário um equilíbrio correto entre a coragem e a renúncia, entre a capacidade de avançar e a de ficar imóvel, entre a palavra correta e o silêncio correto, entre a autoconfiança e a humildade. Uma rocha, por exemplo,  é tão firme e consistente quanto  humilde e destituída de vaidade.

Pergunta:

A simplicidade é importante. As plantas, as flores e a natureza proporcionam iluminação espiritual?

Comentário:

Sim, e o convívio direto com a natureza faz parte da vida filosófica. Os seres da natureza não são apenas nossos irmãos. Eles são também nossos professores. A filosofia esotérica é a filosofia da natureza, e o universo físico é inseparável do universo espiritual.

Pergunta:

Diga alguma coisa sobre os “saltos adiante” e os “retrocessos” no caminho espiritual.

Comentário:

É verdade que pode ocorrer algo parecido com um salto adiante no caminho espiritual, mas  ele não deve ser buscado. Querer ou buscar saltos súbitos é um sintoma de ansiedade e de falta de paz-ciência. Os retrocessos são frequentemente resultado da ansiedade, e pressa e a ansiedade são péssimas conselheiras. O esforço intenso e o entusiasmo são importantes, porém ao lado deles deve haver uma profunda despreocupação em relação a quaisquer resultados visíveis de curto prazo.

Pergunta:

Fala-se de “teosofia autêntica”. De fato, o movimento esotérico ou teosófico é grande, possui diversidade, e, como diz o ditado, “nem tudo que reluz é ouro”. Como diferenciar uma escola autêntica de uma escola falsa?
 
Comentário:

O uso do adjetivo “autêntico”, no caso do caminho proposto pela Loja Independente de Teosofistas e seus websites associados, traz consigo uma afirmação implícita. Se há uma teosofia autêntica, então deve haver uma  teosofia falsa.

Há nisso um convite para que cada estudante pense por si mesmo. Ele deve usar seu discernimento para identificar o falso e o verdadeiro. Isso vale para todos os aspectos da caminhada, incluindo a literatura e as agrupações teosóficas.

A teosofia autêntica, inspirada pela literatura clássica de H. P. Blavatsky e outros autores, estimula a autonomia; mas a falsa teosofia estimula a crença. A teosofia autêntica não propõe rituais: a falsa teosofia, usa-os, mantendo, porém, uma filosofia aparentemente teosófica como fachada. A teosofia autêntica discute transparentemente a sua pedagogia e não se burocratiza; a teosofia falsa usa a pedagogia da confiança cega e do poder “institucional”, e cria burocracias. O estudante deve zelar pelo seu espírito crítico; mas deve colocar seu espírito crítico a serviço da percepção da unidade de todos os seres. Entre os dois extremos da crença cega e do ceticismo automático que tampouco enxerga coisa alguma, o caminho teosófico autêntico é o caminho do estudo, da reflexão e da investigação. É o caminho da tentativa, do erro e da correção do erro. É o caminho da independência com solidariedade.

Pergunta:

A paciência leva à liberdade, assim como a ansiedade é uma prisão?

Comentário:

Sim, e a vitória nesta área surge gradualmente. Em 2008, uma estudante escreveu:

“Não estou mais ansiosa pelas descobertas, nem pelos resultados. Penso apenas em seguir adiante, na velocidade que puder, cumprindo com ações que considero corretas. O medo e a culpa diminuem sensivelmente. A vida fica mais leve.”

Pergunta:

Tenho estudado teosofia no SerAtento há um ano. Tenho percebido mais paciência em mim, embora ainda esteja longe do ideal. Até para a escolha das horas de estudo, foi necessário passar por um teste de paciência. Estou vivendo a mudança em minha vida. Meu dia a dia foi mudado, há uma nova arrumação no quarto, com saída da TV, nova estante, pastas etiquetadas das seções do website, tenho aprendido muito de internet. Há muito para contar...

Agora, já posso dizer que estou ficando mais calma...  passei momentos de muita ansiedade. Mas já percebo uma autodisciplina. Até hábitos alimentares foram modificados pela atenção ao ensinamento. Sinto um contentamento interior que não sei definir. A parte ética foi reavivada, mas de forma branda, sem desejar sair mudando na marra ... Do fundo de meu coração, quero ser solidária e riscar o egoísmo de minha personalidade. Este é o caminho certo?

Comentário:

Sim. A partir de um certo momento, o contato direto com a filosofia esotérica passa a transformar cada aspecto da vida cotidiana. A transformação é espontânea, surge de dentro para fora, sem pressa mas definitivamente.

000

Em setembro de 2016, depois de cuidadosa análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu formar a Loja Independente de Teosofistas, que tem como uma das suas prioridades a construção de um futuro melhor nas diversas dimensões da vida.

000 

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:  


000