14 de outubro de 2016

Canção da Candeia Acesa

Um Poema Sobre o Poder da Simplicidade

Afonso Lopes Vieira




Humilde candeia acesa
em casa do cavador:
luz da pobreza, - bendita! -
luz infinita do Amor!

Vem pela noite negra adiante
um homem que se perdeu:
vê no escuro uma estrelinha,
lá tão distante…,
mas na terra, não no céu.

E diz-lhe a vaga luzinha:
- Olha para mim, e caminha,
vem onde a mim, que sou eu.

E ele chega àquela porta,
nela bateu…

Abre-se a porta, e ei-la acesa,
- parece o Sol!, -
em casa do cavador:
luz da pobreza - bendita!, -
luz infinita do Amor!

000

Da obra “O Pão e as Rosas”, de Afonso Lopes Vieira, Livraria Ferreira - Editora, Lisboa, Portugal, 1908, 169 pp., pp. 81-82. O poeta viveu de 1878 a 1946 e esteve ligado ao movimento cultural Renascença Portuguesa, na cidade do Porto, no início do século 20.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000