1 de novembro de 2016

As Vibrações Ocultas

Uma Conversa Com Helena Blavatsky em 1888

William Q. Judge



00000000000000000000000000000000

Nota Editorial:

Publicado pela  revista teosófica
norte-americana  “Path” na edição
de junho de 1893, sob o título de
Occult Vibrations”, o artigo a
seguir aborda as diferenças entre os
grandes sábios (ou “adeptos”) e os
cidadãos comuns. Foi publicado pela
primeira vez em língua portuguesa na
edição de outubro de 2008 de “O Teosofista”.

(CCA)

00000000000000000000000000000000000000000000000




[O texto seguinte foi anotado por mim em 1888, conforme o que era ditado por H.P.B. e com o propósito de publicá-lo naquela época. Mas o material não foi usado de imediato. Eu o trouxe comigo para casa, e agora é de interesse. W.Q.J. ]

000

Pergunta – Chamou-me atenção, enquanto pensava sobre a diferença entre as pessoas comuns e um adepto ou mesmo um estudante parcialmente avançado, que a frequência de vibração das moléculas cerebrais, assim como a sua coordenação com as vibrações mais elevadas do cérebro, pode estar na essência da diferença, e pode explicar também muitos outros problemas.

H.P.B. – É verdade. As vibrações causam diferenças e também provocam muitos fenômenos curiosos. As diferenças entre as pessoas se devem em grande parte a vibrações de todos tipos. 

Pergunta – Ao ler o artigo [“Aum!”] na revista “Path” de abril de 1886, esta ideia surgiu novamente. Abro na página 6 da revista: “A Ressonância Divina de que se fala acima não é a Luz Divina em si mesma. A Ressonância é apenas a manifestação do primeiro som de todo o Aum . . . .  Ela não se expressa apenas como o poder que agita e anima as partículas do universo, mas também se expressa na evolução e na dissolução do ser humano, dos reinos mineral e animal e do sistema solar. Entre os hindus, era representada como o planeta Mercúrio, ao qual tem sido sempre atribuído o governo das atividades intelectuais e a função de estimulador universal.”  

O que me diz sobre isso?

H.P.B. – Mercúrio sempre foi conhecido como o deus da sabedoria secreta. Ele é Hermes, assim como Buddha, filho de Soma. Falando das coisas do plano inferior, eu chamaria a “Ressonância Divina” sobre a qual você lê na revista Path de “vibrações”; e diria que está na origem, ou que dá o impulso a todo tipo de fenômeno do plano astral.

Pergunta – As diferenças percebidas nos cérebros e nas naturezas humanas devem, então, ter como base as diferenças de vibração?

H.P.B. – Seguramente. 

Pergunta – Falando da humanidade em seu conjunto, é verdade que todos os humanos têm uma chave, ou uma frequência vibratória, à qual respondem?

H.P.B. – Os seres humanos são em geral como conjuntos de teclas de piano. Cada tecla tem o seu próprio som, e a combinação dos sons produz outros sons em uma variedade sem fim. Como a natureza inanimada, os humanos têm uma nota-chave a partir da qual todas as espécies de caráter e de constituição avançam atravessando mudanças permanentes. Lembre do que foi dito em “Ísis Sem Véu”, página 16, volume I [da edição original em inglês. NT] : “O Universo é a combinação de milhares de elementos, e no entanto é a expressão de um só espírito. Ele é um caos para os sentidos (físicos), e um cosmos para a razão (manas).”

Pergunta – Até aqui, o que foi dito se aplica à natureza em geral. Isto explica a diferença entre o adepto e a pessoa comum?

H.P.B. – Sim. A diferença está em que um adepto pode ser comparado àquela nota-chave que contém em si todas as notas da grande música da natureza. Ele tem em seus pensamentos a síntese de todas as notas, enquanto que o homem comum possui a base da mesma nota-chave, mas apenas age e pensa em uma, ou em algumas poucas modalidades desta chave, produzindo com seu cérebro somente alguns poucos acordes da grande música que é possível.

Pergunta – Isto terá algo a ver com o fato de que o discípulo pode ouvir a voz do seu mestre através dos espaços astrais, enquanto outro não consegue ouvir ou comunicar-se com os adeptos?

H.P.B. – Isto ocorre porque, através do treinamento, o cérebro de um chela está sintonizado com o cérebro do Mestre. Suas vibrações sincronizam-se com as do Adepto; mas o cérebro não-treinado não está sintonizado desta forma. Assim, o cérebro do chela não é normal, se olhamos para ele do ponto de vista da vida convencional; enquanto que o cérebro do homem comum é normal, do ponto de vista das metas mundanas. Este último pode ser comparado aos que são incapazes de distinguir cores.

Pergunta – Pode explicar melhor?

H.P.B. – O que é considerado normal do ponto de vista do médico é visto como anormal do ponto de vista do ocultismo, e vice-versa. A diferença entre um homem que não distingue as cores umas das outras e não consegue identificar lâmpadas coloridas, e um adepto que as vê e que as distingue, está no fato de que um confunde uma cor com a outra, enquanto o adepto vê todas as cores em cada cor, mas, mesmo assim, não as confunde.

Pergunta – Então, o adepto elevou as suas vibrações de modo que elas são iguais às vibrações da natureza como um todo?

H.P.B. – Sim, no caso dos adeptos mais elevados. Mas há outros adeptos que, embora amplamente mais avançados que a humanidade média, ainda são incapazes de vibrar neste nível.

Pergunta – O adepto pode produzir por vontade própria uma vibração que altere uma cor, transformando-a em outra?

H.P.B. – Ele pode produzir um som que altere uma cor. É o som que produz a cor e não o contrário. Ao correlacionar as vibrações de um som da maneira correta, faz-se uma nova cor.

Pergunta – É verdade que no plano astral cada som sempre produz uma cor?

H.P.B. – Sim; mas estas cores são invisíveis porque ainda não foram correlacionadas pelo cérebro de modo que se tornem visíveis no plano terrestre. Leia Galton, que narra experimentos com cores e sons tais como percebidos por indivíduos psíquicos e sensitivos, mostrando que muitas pessoas sensitivas sempre veem uma cor para cada som. O homem que é cego em relação a cores tem diante de si as mesmas vibrações que se mostram como vermelho, mas, como não é capaz de percebê-las, ele altera o total das vibrações, digamos assim; e então, daquele total de vibrações, ele vê uma cor que corresponde às vibrações que consegue perceber. Os seus sentidos astrais podem ver a cor verdadeira, mas o olho físico tem as suas próprias vibrações; e estas, estando no plano externo, predominam por enquanto sobre as outras – e o homem astral é levado a informar ao cérebro que o olho físico viu corretamente. Porque, em cada um dos casos, o estímulo externo é mandado para o homem interno, e este é então forçado de certo modo a aceitar naquele momento a mensagem, até que a situação mude. Mas há casos em que o homem interno é capaz até mesmo de vencer a limitação externa e fazer com que o cérebro veja a diferença. Em muitos casos de insanidade mental, a confusão entre as vibrações de todo tipo é tão grande que não há correlação entre o homem interno e o homem externo, e temos então um caso de alienação mental. Mesmo em algumas destas situações infelizes a pessoa está o tempo todo interiormente consciente de que não é insana, mas não consegue fazer-se entender. Assim, frequentemente as pessoas são levadas à verdadeira insanidade por tratamentos errados.

Pergunta – Através de que tipo de vibrações os elementais produzem cores e luzes variadas?

H.P.B. – Embora conheça bem o assunto, esta é uma pergunta a que não devo responder. Eu não disse a você que, às vezes, os segredos podem ser revelados demasiado cedo?

000

O texto acima foi traduzido de “Theosophical Articles”, William Judge, Theosophy Co., Los Angeles, CA, edição em dois volumes, volume I, pp. 423-426.  

000

Em setembro de 2016, depois de cuidadosa análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu formar a Loja Independente de Teosofistas, que tem como uma das suas prioridades a construção de um futuro melhor nas diversas dimensões da vida.

000 

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000