27 de março de 2015

Transformar Uma Casa Num Templo

O Desafio de Construir Um Espaço Sagrado

Carlos Cardoso Aveline




O teosofista indiano B. P. Wadia escreveu em um dos seus livros que, segundo os Vedas, o lar de um indivíduo é o seu maior Ashram [1].

Assim como todos os rios e cursos d’água fluem para descansar no Oceano, assim também todos os Ashrams fluem para descansar na família (VI, 89-90).

“Construir um Lar como deve ser construído”, escreve o sr. B.P. Wadia, “é trazer para a terra o Reino dos Deuses”.[2]

Não há apenas uma alquimia do indivíduo. Existe também uma alquimia dos relacionamentos mais profundos do ser humano. A casa de cada um é o centro magnético mais forte da sua vida. O indivíduo deve tomar medidas práticas para que o local em que mora seja, de fato, um templo.

As emoções pessoais precisam estar em paz e em ordem para que o foco da consciência se estabeleça nos planos superiores da mente. As equações pessoais devem ser simplificadas. O magnetismo de cada ser humano fica impresso e registrado nas paredes e objetos da casa que ele habita: se sua vontade for correta e elevada, será maior a componente sagrada da casa.

A qualidade magnética da moradia dependerá também de alguns fatores ecológicos e do contato mais ou menos favorável da casa com o meio ambiente natural, inclusive em planos sutis. Não tem importância se um bem imóvel é pobre ou rico, mas deve haver simplicidade nele. A atmosfera da moradia reflete o estado de espírito do morador. O índice de autoconhecimento e o grau de contato de cada habitante com o seu próprio eu superior são dois fatores decisivos, que a teosofia original ensina como podem ser ampliados.

A matriz básica do carma e das emoções da humanidade está impressa no casal. Deste relacionamento surgem as crianças. Ele determina o rumo das civilizações. É possível perceber o presente e o futuro de uma civilização observando o estado psicológico das famílias. O casal humano forma o “vínculo fundamental” de qualquer sociedade. Portanto, a sua qualidade deve ser tão alta quanto possível. Uma boa moradia pode ser construída - nos planos sutis - como uma ponte para o alto. A sua atmosfera refletirá o estado do santuário que há no coração dos seus moradores. Os membros de um casal são as duas principais colunas - yin e yang - do templo da moradia.

Ao longo do caminho espiritual, deve haver uma transformação purificadora das relações íntimas, de modo que um tipo mais profundo e impessoal de amor possa, à medida que o tempo passa, ganhar força crescente na combinação de fatores que forma o vínculo emocional. Deste modo ninguém envelhecerá em vão.

Em “Cartas dos Mestres de Sabedoria”, pode-se ler palavras interessantes de um Mestre sobre o tema das relações afetivas. Cabe levar em conta que o termo “Ain-Soph”, mencionado pelo sábio, é o equivalente ocidental de “Parabrahman”. A expressão significa o puro Espaço Universal e Abstrato. Qualquer personificação de Ain-Soph, portanto, é uma imagem meramente simbólica. Nada tem a ver com a ideia de algum deus monoteísta.

Diz o Mestre:

“Saiba, Irmão meu, que onde um amor verdadeiramente espiritual busque consolidar-se através de uma união pura e permanente de duas pessoas, no sentido terreno, não há pecado nem crime aos olhos do grande Ain-Soph, pois esta é somente a repetição divina dos Princípios Masculino e Feminino - o reflexo microcósmico da primeira condição da Criação. Diante de uma tal união os anjos bem poderão sorrir! Mas uniões como estas são raras, Irmão meu, e podem ser criadas apenas sob a sábia e amorosa supervisão da Loja, de modo que os filhos e filhas do barro não possam ser totalmente degenerados e que o Amor Divino dos Habitantes das Esferas Superiores (Anjos) para com as filhas de Adão seja repetido. Mas mesmo eles devem sofrer antes de serem recompensados. O Atma de um homem pode permanecer puro e altamente espiritual enquanto está unido com seu próprio corpo material; por que não poderiam duas almas, em dois corpos, permanecer puras e incontaminadas apesar da passageira união terrena dos últimos?” [3]

Em outra carta, também abordando o tema do casal, o mesmo sábio escreveu:

“A pureza do amor terreno purifica e prepara para a realização do Amor Divino. Imaginação humana alguma pode conceber os ideais da divindade a não ser através daquilo que lhe é familiar. Aquele que se prepara para compreender o Infinito deve compreender antes o finito. O Ideal do Espiritual pode penetrar somente através da imaginação, que é o caminho condutor e o primeiro portal para as concepções e impressões do Atma terreno.” [4]

A casa em que vivemos passa a ser um espaço sagrado na medida em que nossa consciência se expande e o compromisso com uma vida correta fica estável e firme. Por outro lado, a atmosfera sutil da residência deve ser defendida. Discernimento é necessário. Um mestre de sabedoria escreveu a Alfred P. Sinnett:

“A casa de você, meu amigo, tem uma colônia de elementários [5] aquartelados nela (…). Você devia ter um cuidado maior que o comum (…) para não encorajar sensitividade em sua casa, nem admitir, mais que o estritamente inevitável, visitas de sensitivos mediúnicos conhecidos. Também seria bom queimar madeiras de lenha nos quartos de vez em quando, e levar pela casa vasilhas com madeiras em brasa. Você também poderia pedir a Damodar que mandasse a você alguns pacotes de varinhas de incenso para seu uso com este objetivo. Estas são ajudas, mas o melhor de todos os meios para afastar hóspedes indesejados deste tipo é ter uma vida pura em ações e pensamentos.”

Vários tipos de ideias e sentimentos tóxicos, que são populares em sociedades materialistas, deveriam ser mantidos à distância. Alguns objetos irradiam influências benéficas e o mestre acrescentou:

“Os talismãs que lhe foram dados também irão ajudá-lo poderosamente se você mantiver íntegra sua confiança neles e em nós.” [6]

“Confiança nos mestres” significa “confiança em sua própria alma espiritual”.

Tanto quanto as provações e o carma o permitem, a vida da família e a atmosfera do lugar em que moramos podem refletir a energia do santuário presente na consciência de cada um. Deste modo são construídas pontes eficazes entre o Espírito e a Matéria, e aumenta criativamente a força da fonte de paz e felicidade.

NOTAS:

[1] Ashram - comunidade mística, local de retiro de seres dedicados à busca da verdade.

[2] “The Building of the Home”,  de B. P. Wadia, Theosophy Company (India), Mumbai, 2005, 56 pp., ver p. 03.

[3] “Cartas dos Mestres de Sabedoria”, editadas por C. Jinarajadasa, Ed. Teosófica, Brasília, 1996, 296 pp., ver Carta 19 da segunda série, p. 190.

[4] “Cartas dos Mestres de Sabedoria”, obra citada, ver Carta 18 da segunda série, p. 189.

[5] Elementários - energias sutis nocivas do mundo astral inferior, normalmente relacionadas com a lamentável situação pós-morte de pessoas intensamente egoístas.

[6] “Cartas dos Mahatmas”, Editora Teosófica, Brasília, 2001, edição em dois volumes, ver volume II, Carta 130, pp. 287-288.

000

O texto acima foi publicado inicialmente em inglês em nossos websites associados. Título original: “Turning a House Into a Temple”.

000

Em setembro de 2016, depois de cuidadosa análise da situação do movimento esotérico internacional, um grupo de estudantes decidiu formar a Loja Independente de Teosofistas, que tem como uma das suas prioridades a construção de um futuro melhor nas diversas dimensões da vida.

000 

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:


000