2 de dezembro de 2019

O Verdadeiro Poder

Ter uma Força Autêntica Implica
Ausência de Egoísmo e de Vaidade

Carlos A. Vieira



É estranho falar-se em ânsia de poder referindo-se aos buscadores da natureza verdadeira, uma vez que estes indivíduos estão dotados de uma vontade de autossuperação. No entanto, justifica-se em parte este tipo de ânsia, porque a descoberta de determinados conhecimentos e de certas leis, num período de ainda imaturidade psicológica, leva certamente o buscador à tentação do exercício do poder que, no fundo, é uma forma de autoglorificação.

O certo, porém, é que esta forma de autoglorificação é das mais destruidoras, considerando-se que, de um modo geral, implica em domínio sobre e utilização de outros seres, com a finalidade de expansão do ego.

Esta ânsia de poder é tanto mais perniciosa quanto maior o grau de inconsciência do buscador, uma vez que não consegue perceber o alcance de sua ação dominadora.

Também há de se observar que, no fundo, a ânsia de poder manifestada por um sincero buscador, pode ser tão-somente uma má interpretação da ânsia de servir. E esta crença pode conduzir a enganos nefastos.

São clássicas as descrições da tentação de Jesus e de Sidarta. Ambos vitoriosos no confronto com esta parte da natureza humana, a que anseia o domínio. O problema da tentação do poder está em a criatura acreditar que a raiz do poder está nele, que é ele quem pode algo ou alguma coisa, contra alguém, contra algo ou contra alguma coisa. Em verdade, o único poder real está em permitir que flua através da consciência a vontade superior. Esta manifestação de poder real, no entanto, é sempre exercício do poder de servir. Mesmo quando a aparência de um poder temporal é assumida, muitas inteligências são chamadas a servir nesta tônica, não só para construir, mas também para levar à destruição formas peremptas [1] e sem mais significado na economia cósmica.

Mas este tipo de poder é raro, visto que implica ausência de egoísmo, de vaidade, de autoglorificação. É uma tônica de difícil interpretação e execução.

Porém deve ser exercido o poder, sobretudo por inteligências esclarecidas pela luz da razão maior e pela extrema compaixão, a fim de que certos parágrafos e alíneas da grande lei sejam cumpridos.

NOTA:

[1] Perempta: sem vida, sem efeito. (CCA)

000

O artigo acima foi publicado nos websites associados dia 02 de dezembro de 2019, tendo sido reproduzido do livro “Passos no Caminho do Autoconhecimento e da Auto-realização”, de Carlos A. Vieira, Thot Livraria e Editora Esotérica, Brasília-DF, 1987, 64 pp., ver pp. 47-50. Título original: “A Ânsia de Poder”. A ortografia foi atualizada.

000

Veja “Lições dos Judeus Sobre Humildade”, de Malba Tahan.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000