25 de abril de 2018

Ideias ao Longo do Caminho - 10

A Sabedoria é Inseparável do Autossacrifício

Carlos Cardoso Aveline




* A força moral do indivíduo cresce quando ele concentra a mente em seu dever.

* Um certo grau de solidão externa e sofrimento surge ao mesmo tempo em que nasce o sentido de unidade interna com a vida do Universo.

* Sabendo ou não, cada um de nós vive em unidade interior com todos os seres. Porém este fato só adquire a forma de uma bênção quando chegamos ao território do altruísmo. A satisfação da generosidade faz a diferença entre o céu e o inferno.

* Na bússola secreta da alma humana, a agulha apontando para o norte é o sentido de justiça imparcial.

* Todos sabem que o verdadeiro templo deve ser construído na própria alma do ser humano. E que isso requer uma certa força de vontade.

* A teosofia amplia horizontes de modo radical. Através do estudo de textos antigos, você tem como mestres os maiores sábios de todos os tempos.

* As aparências enganam: o fato é que a felicidade resulta de uma vida simples, e o oposto da simplicidade gera, principalmente, sofrimento.

* Ao deixar de lado falsidades pseudorreligiosas e outras formas de lixo mental, aprendemos a respeitar a verdade em todas as circunstâncias.

* Adote como seu o ideal mais elevado que conhece, e depois olhe para a sua vida diária do ponto de vista deste ideal. Tenha paciência: o aperfeiçoamento não pode ser súbito. É pouco a pouco que nos aproximamos da meta sagrada.

* Examine suas ações. Verifique se está avançando no rumo correto. Uma vez que isso ocorra com suficiente vigor, persista firmemente e uma bênção incondicional virá até você.

* Antes de dizer algo importante, decida em seu coração que agirá à altura e responderá pelo que diz. Sua alma está ligada ao que você pensa e fala. Cada palavra tem um determinado peso cármico e magnético.

* Diferentes momentos trazem oportunidades especiais para desenvolver esta ou aquela forma de ação correta. Por outro lado, qualquer instante é sempre o tempo adequado para o exercício da plena atenção, e para a calma escuta da voz sem palavras da nossa consciência.

* Paciência e audácia, prudência e coragem, são qualidades igualmente necessárias ao longo da caminhada. E também discernimento, para saber quando usar uma qualidade ou outra, e de que modo, e até que ponto.

* Tentando fazer o melhor, aprendemos mais.

* Cada tropeço, mesmo doloroso, traz lições úteis para a caminhada. E todo momento de vitória produz a possibilidade de alguma ilusão. Por isso a sabedoria está em colher vitórias com humildade e enfrentar derrotas com uma calma coragem: o desapego protege o peregrino.

* No caminho da sabedoria é preciso verificar o grau de unidade entre os diferentes elos da vida individual. O querer, o aspirar, o pensar, o sentir, o compreender, o atuar e o perseverar formam uma corrente. Nesta associação de elementos distintos, a força de um elo é a força de todos.

* A chave para a compreensão mútua está no autoconhecimento. O “outro” primordial do mundo psicológico de todo ser humano é o seu próprio eu superior. Construindo uma relação correta e forte com sua verdadeira alma, o indivíduo irá respeitar naturalmente a si mesmo e aos outros.

* As incertezas inevitáveis da vida são um convite para que o indivíduo encontre a estabilidade em seu próprio interior, em primeiro lugar. Isso o tornará capaz de ver uma certa estabilidade também no mundo externo. As leis da natureza ocorrem em todos os níveis de consciência. Elas presidem a vida espiritual e a vida física, e são estáveis.

* Uma osmose oculta ocorre inevitavelmente nas 24 horas do dia. Através dela, tudo o que fazemos, pensamos e sentimos chega direta e silenciosamente até as pessoas e situações que são mais importantes para nós.[1] Lembrando disso, passamos a ser mais responsáveis em relação ao que sentimos, pensamos e fazemos.

* Melhor do que perder tempo com ninharias é ter prioridades claras e organizar a agenda do dia, do mês e do ano atual. A programação deve ser suficientemente flexível para que possamos lidar bem com o Desconhecido, com o Inesperado e também com a criatividade pura, que ocorre em silêncio. A agenda eficiente é um processo vivo.

* A sabedoria é inseparável do autossacrifício.

* A busca de poder pessoal é um sintoma de que as relações da pessoa com sua própria alma imortal precisam melhorar. O problema fica mais grave quando o indivíduo tenta esconder dos outros o seu amor pelo poder. Para que haja um aprendizado real, a vaidade e o orgulho devem ser vistos,  confessados, e abandonados.

* Há uma água visível que purifica o físico, e uma água invisível que purifica a alma: a boa vontade.

* Cada passo na direção do conhecimento sagrado traz testes severos para o aprendiz. O efeito prático disso é que somos obrigados a identificar e abandonar sempre novas formas de ignorância em nós próprios, porque a vida se renova a cada minuto e a sabedoria inclui o desapego.

* Não engane a si mesmo. Quanto mais você avança pelo caminho da sabedoria, mais ilusão você é capaz de identificar à sua volta, e em você mesmo. Será preciso renovar constantemente o seu amor pela verdade à medida que percebe que o caminho para a felicidade é de fato estreito e íngreme, e rodeado de várias formas de faz-de-conta.

* Para cada lição que aprendemos ao longo do caminho, há uma antilição que deve ser desaprendida e abandonada. Todo novo elemento de sabedoria deve eliminar, na medida em que é adotado, pelo menos um elemento correspondente de ignorância. Há uma lei de simetria na vida, e cada aquisição traz consigo determinada forma de perda ou renúncia.

* Examine impessoalmente a direção média dos seus sentimentos, pensamentos e aspirações. A direção deles é a direção do seu carma. Este é o caminho que você escolheu? É suficientemente nobre e luminoso? Faça as melhoras necessárias em pensamentos e sentimentos, de modo a garantir que o seu carma avança na direção que você conscientemente deseja.

* A humildade e a audácia são igualmente necessárias, assim como a firmeza e a flexibilidade, o silêncio e o som. Firmeza inclui flexibilidade, e a flexibilidade deve transformar-se na dureza de uma rocha, quando necessário. O silêncio contém o som. E o som, ou mantra, possui em seu interior o silêncio, do qual é discípulo.

* Use o seu cérebro e pense na frente. Construa sua vida toda como uma obra de arte. Não aja como se a vida fosse uma sucessão ilimitada de pequenos períodos de tempo separados entre si, que em algum momento será interrompida de modo “casual” e “inesperado”. O correto é trabalhar desde já naquilo que não nasce e não morre, e que atravessa imperturbável o oceano do tempo.[2]

* A ignorância, Avidya, provoca Asmita, a ilusão de um eu que está separado da vida. O egocentrismo mal-informado acentua Raga (atração cega) e Dvesha (Repulsão cega). O par de opostos que pouco ou nada enxergam acentua Abinivesha, o medo de transcender, o medo do desapego. Estes são os cinco kleshas, ou aflições, segundo a Raja Yoga. A calma compreensão do seu funcionamento liberta o estudante da sua própria ignorância. No entanto, o processo é gradual. Não há milagre: deve haver mérito.

* Cada aspecto da nossa visão da realidade interage com todos os outros aspectos.

* Não vale a pena deixar que o pensamento seja arrastado pelo desejo. A confortável aceitação de uma falsidade - em qualquer dimensão da vida - irá distorcer a nossa visão de todas as coisas. Se quisermos alcançar a sabedoria e a paz, portanto, é essencial ter a coragem de observar com serenidade os fatos incômodos.

* A pureza mental e emocional de que fala a teosofia nada tem a ver com a atitude supersticiosa do dogmatismo religioso, cujo resultado é, em geral, o oposto do que se deseja alcançar. A pureza de pensamentos e sentimentos é uma necessidade prática para que se possa ver com lucidez a realidade. As emoções impuras - misturadas, contraditórias - distorcem a percepção da realidade. A purificação é um processo alquímico pelo qual o ouro se liberta de outros minerais mesclados a ele, ou pelo qual a vontade impessoal se liberta da influência de desejos inferiores.

* A purificação é sinônimo de concentração. Ela resulta da adoção de uma meta clara na vida: a busca da sabedoria eterna, que inclui um esforço altruísta pela felicidade de todos os seres. 

* Ter opiniões sobre fatos não é o mesmo que compreender a realidade. Quantas das “nossas ideias” são realmente nossas? E quantas delas foram apenas adotadas por nós? Alguns têm opinião sobre quase tudo, mas pesquisam pouco. Das nossas visões da realidade, quantas foram devidamente questionadas e examinadas por nós? É dever de um buscador da verdade reexaminar de tempos em tempos seus pontos de vista, de modo a ampliar horizontes e fazer com que aumente a capacidade de aprender. Cabe trocar opiniões de segunda mão por conhecimento direto.

* A simplicidade, o desapego, a atenção e a auto-organização diante dos aspectos externos da vida são fatores decisivos. Eles nos capacitam para transcender as coisas exteriores de modo responsável e para viver uma vida contemplativa no longo prazo.

NOTAS:

[1] Veja o texto “O Processo da Osmose Oculta” em nossos websites associados. Leia também “Telepatia, a Comunicação Silenciosa”.

[2] Leia em nossos websites o artigo “Todas as Idades da Vida”, de Carlos Cardoso Aveline.

000

O artigo acima foi publicado como texto independente em 25 de abril de 2018. Uma versão inicial dele está incluída de modo anônimo na edição de junho de 2015 de “O Teosofista”.

Embora o título “Ideias ao Longo do Caminho” corresponda ao título em língua inglesa “Thoughts Along the Road”, do mesmo autor, não há uma identidade exata entre os conteúdos das duas coletâneas de pensamentos.

000 

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:  


000

19 de abril de 2018

Ideias ao Longo do Caminho - 09

A Tarefa de Pregar no Deserto é
Sagrada e Significa Emitir um Mantra

Carlos Cardoso Aveline




* A tarefa do ser humano é construir em sua consciência uma escada entre céu e terra, uma ponte firme entre os dois lados de um rio.

* A essência do universo guia cada vida humana e brilha, quase invisivelmente, no centro do nosso ser individual.

* Na ausência de uma vontade fortalecida, confusões aparecem. Uma calma e firme autodisciplina é a chave para transformar boas intenções em ações corretas.

* A ajuda mútua é a lei da vida. O pensamento correto e a emoção honesta constituem a base da ação eficaz.

* Muitos levam uma vida cheia de barulho e agitação. Com isso fogem temerosos da voz da sua própria consciência.

* A autopurificação abre o caminho do autoconhecimento, e é inseparável do sentimento de responsabilidade.

* O caminho da sabedoria implica criar na vida diária hábitos físicos, emocionais e mentais compatíveis com a filosofia universal que se estuda.

* Os ciclos e ritmos da vida expressam o carma. Observá-los permite que harmonizemos o modo como a energia flui desde o mundo das Causas para o mundo dos Efeitos.

* Não pense que conforto é felicidade. Longe disso: o caminho do sofrimento é pavimentado com apego à satisfação pessoal. A felicidade resulta da sabedoria, e é inseparável da renúncia e da simplicidade voluntária.

* Para ficar livre da ignorância, não basta desejar a libertação. A liberdade, assim como o desapego, resulta de um conhecimento direto das inúmeras maneiras como a ignorância funciona, e da experiência acumulada de quem opta sempre pelo caminho da sabedoria e da ética.

* Cada ser humano contém em si mesmo o que é permanente e o que é impermanente. À medida que alcança a sabedoria e passa pelas mudanças necessárias, a presença do eterno em sua alma ganha influência.

* O que é ilusório não permanece.

* O fato de que ao longo da história as civilizações se sucedem umas às outras deveria ser suficiente para percebermos que elas são ilusórias, no sentido de passageiras. Buscar a verdade, em filosofia esotérica, significa transcender o horizonte da atual “civilização”, a qual, aliás, em vários aspectos é pouco civilizada.

* A tarefa de pregar no deserto é sagrada e significa emitir um mantra. A missão requer paciência, coragem, discernimento. Quando o trabalho é bem feito, no tempo certo surge um pequeno oásis, que crescerá.

* A existência de um perigo real é uma grande fonte de lições para quem busca a sabedoria. É impossível trabalhar pelo bem da humanidade sem enfrentar diversas formas de ignorância organizada. Graças aos obstáculos, o discípulo aprende.

* Há épocas em que a mentira e a falsidade parecem prevalecer, e elas duram pouco. Há outras épocas em que as ilusões já não resistem ao seu próprio peso, mas implodem e desaparecem. Então a sinceridade renasce livre, trazendo consigo uma nova primavera da ética e da justiça.

* Para agir com eficácia e fazer a diferença, cabe localizar calmamente aquele ponto no espaço e no tempo em que a diferença pode ser feita. A paciência e a perseverança exercidas na direção correta irão primeiro construir, e depois revelar o momento decisivo, no local certo.

* Embora seja indispensável uma certa indiferença ao mundo externo, o desapego pessoal deve ser compensado pela capacidade de resposta intensa e imediata diante de um fato novo significativo.

* É falsa a ideia de que a nossa paz e o nosso sossego dependem principalmente de circunstâncias externas. O bem-estar depende sobretudo da força da alma e da decisão de longo prazo de alcançar a bênção interior. Os fatores externos se adaptam invisivelmente à condição da alma.

* Todos os aspectos do tempo pertencem à eternidade, e também ao momento presente. A prática de aprender lições do passado e os esforços por construir um futuro melhor fazem parte do Tempo Eterno. As sete eternidades estão ocultas no instante de agora. O momento presente percorre as eternidades e vai além.

* O tempo histórico é semelhante ao tempo da alma, e se mede por séculos e milênios. As bases da futura fraternidade planetária apenas começaram a ser construídas. A humanidade atual terá que avançar mais alguns passos na direção da ética e da ajuda mútua, antes que possa ser percebida a verdadeira dimensão do trabalho pioneiro realizado por Helena P. Blavatsky no século 19.

* A ação altruísta eficaz combina diferentes níveis de consciência. É preciso que haja um equilíbrio e uma harmonia entre o esforço feito no plano das emoções, no plano dos pensamentos, e na ação física. Cabe dar atenção a todo o ciclo, no trabalho, no descanso, e no recomeço do trabalho. Durante as horas de esforço, o uso adequado das energias criadoras nos prepara para repousar melhor ao final do dia.

* Entre os segredos da sabedoria esotérica, que cada peregrino deve encontrar em sua jornada individual, está o equilíbrio necessário para ter um severo espírito crítico e abster-se da negatividade desnecessária.

* O indivíduo sensato prioriza colocar em ação e administrar as energias capazes de criar aquilo que é correto. Os erros são encarados de frente, e ele trata de corrigi-los com eficiência. O foco central do esforço gira em torno da preservação e da expansão do mais valioso e abençoado, e que é, ao mesmo tempo, novo e eterno, tradicional e revolucionário.

000

O artigo acima foi publicado como texto independente em 19 de abril de 2018. Uma versão inicial dele está incluída de modo anônimo na edição de maio de 2015 de “O Teosofista”.

Embora o título “Ideias ao Longo do Caminho” corresponda ao título em língua inglesa “Thoughts Along the Road”, do mesmo autor, não há uma identidade exata entre os conteúdos das duas coletâneas de pensamentos.

000 

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:  


000

18 de abril de 2018

Ideias ao Longo do Caminho - 08

Ter um Coração Simples é
Muito Diferente de Ser Ingênuo

Carlos Cardoso Aveline




* A prática abstrata da contemplação permite agir no mundo com mais eficácia. 

* A alegria de viver pulsa com força em um coração simples. Seu alicerce é a ação correta feita sem alarde.

* Para trazer a transcendência até a existência diária, basta deixar de lado gradualmente as várias formas de apego à ignorância.

* A sabedoria é resultado de uma visão de longo prazo aplicada a espaços amplos e abertos ao infinito.  

* A liberdade interior garante a paz. Para isso, cabe preservar a necessária independência.

* Uma tarefa inevitável, em filosofia esotérica, é construir uma harmonia entre o que se diz, o que se sente, o que se faz, e o que se tem como projeto ou intenção.

* A vida ensina sabedoria a todos os seres, sem interrupção. Lições podem ser encontradas por todo lado ao nosso redor.

* A paz do silêncio mental profundo traz a bênção. As fontes da sabedoria estão situadas acima do nível em que vibram os sons, e nenhuma forma de raciocínio mundano pode alcançá-las.

* Para expandir o silêncio, cabe ouvir a Natureza. Quando o vento toca as folhas de uma árvore, o diálogo que resulta disso fala ao coração humano.

* Árvores são inteligentes e auxiliam grande número de seres. A inteligência dos humanos precisa crescer e transcender as palavras antes que eles possam compreender a inteligência sutil das árvores, e interagir com ela. 

* O propósito do sofrimento é testar nossa capacidade de manter o coração focado no que é bom. Quando há a firme intenção de tentar o melhor, os momentos incômodos passam e a paz permanece.

* A vida ensina autorresponsabilidade. Em teosofia, autocontrole é inevitável. A consciência do estudante não deve ficar à deriva, obedecendo a condições externas oscilantes ou a fatores de natureza astral que se comportam ao azar, conforme os ventos dispersivos da luz astral.

* A ignorância espiritual se mostra através do desperdício de energia. A sabedoria consiste em preservar a força vital e usá-la de modo correto e fraterno. Cabe observar, portanto, em que aspectos da vida diária somos sábios no uso da nossa energia, e em que aspectos falta melhorar.

* Devemos fazer escolhas. O discernimento entre certo e errado é fundamental. Por outro lado, cabe lembrar que pensamentos e sentimentos positivos produzem contentamento e melhoram as circunstâncias ao nosso redor.

* Não é suficiente ter boa intenção e metas corretas. O esforço deve ser bem administrado. O indivíduo precisa construir uma agenda realista para o mês atual e para os meses e anos que virão. Prioridades bem organizadas, definidas em função do tempo disponível e da energia vital e dos talentos que  se possui, constituem um fator decisivo.   

* Preservar e expandir o seu sentimento de boa vontade significa que você é capaz de plantar bom carma para si próprio e os outros. Verifique a cada dia a qualidade e a força dos seus pensamentos, especialmente seus pensamentos habituais e repetitivos. Corrija erros adotando pensamentos corretos como “mantras” que os anulem e desenvolvendo ações na direção mais acertada possível. 

* Não se preocupe com resultados de curto prazo. O funcionamento da Lei não pode ser apressado. A primavera e o novo dia não virão mais cedo apenas porque alguém está pessoalmente ansioso pela renovação da vida.

* A mente do ser humano trabalha em uma unidade transcendente com o coração. Nenhum divórcio é possível entre eles, exceto num nível superficial. A cooperação entre pensamentos e emoções sempre pode ser melhorada, através do conhecimento e da sabedoria.

* Na era atual, o mundo não precisa de mais palavras vazias ou discursos feitos de puro vento. A Lei do Carma exige responsabilidade. Lideranças e instituições baseadas em mentira não têm futuro.

* Disfarçar sentimentos egoístas com discursos belos e sofisticados não é suficiente. Enquanto a humanidade for guiada em grande parte por instintos animais, haverá doses desnecessárias de sofrimento, medo e raiva. O autocontrole, inseparável da simplicidade voluntária, é grande fonte de felicidade.

* A adoção de um  ideal de vida que seja nobre e desafiador liberta o peregrino da mediocridade organizada e da morte espiritual associada a ela. Este é o primeiro passo, que serve para inaugurar a caminhada. Será necessário lutar década após década, reduzindo pouco a pouco o contraste entre a intenção nobre e as ações imperfeitas.   

* Um progresso gradual é suficiente.   

* Ao escutar a voz do silêncio na alma, alcançamos o ponto de equilíbrio em nossa consciência e o eixo de simetria em nosso carma.

* Momentos diários de retiro e silêncio são indispensáveis para o fortalecimento da paz interior. Manter uma atitude serena diante das oscilações da vida requer força de vontade e uma decisão firme.

* Ter um coração simples é muito diferente de ser ingênuo. Há uma diferença entre transcender as complexidades da vida e ser incapaz de vê-las. Só se pode obter a simplicidade depois de identificar rigorosamente e dizer “não” a todas as falsidades e todo fingimento.

* Um jeito eficiente de ajudar o mundo a alcançar a paz é viver em paz você mesmo sob quaisquer circunstâncias. Então o mundo ao redor absorverá silenciosamente a paz que você irradia. Mas lembre: viver a harmonia implica ser ativo, criativo, humilde e, quando necessário, severo.

* Não sejamos ingênuos. Não nos enganemos se em algum momento um muro aparentemente sólido cortar o caminho à nossa frente. Olhadas desde o ângulo correto, as dificuldades abrem a porta para a transmutação. O fogo probatório põe em movimento a alquimia da alma imortal. A revolução interior transforma o carma bruto da ignorância no carma maleável e criativo de um aprendizado que avança na direção da luz.

* Justiça implica colocar limites aos erros - especialmente erros conscientes ou semiconscientes - e estimular a ação correta. Quem protege erros não consegue estimular ações nobres. As pessoas devem ser aceitas como são. Os erros, no entanto, precisam ser corrigidos no tempo certo. E é um dever ético evitar que os mesmos velhos erros se repitam indefinidamente.

* Em astrologia e filosofia esotérica, é bem conhecida a correspondência entre o sol e o coração humano. Nem todos levam em conta o fato de que uma mente iluminada se une completamente ao coração, e se transforma, por sua própria dinâmica, em uma miniatura do centro do nosso sistema solar. Veja, a propósito, as “Cartas dos Mahatmas”. [1]

* Quando os desafios no caminho espiritual ameaçam a integridade do coração de alguém, é preferível optar pela prudência, pelo vagar e pela boa vontade silenciosa. Vale mais a colaboração no plano do pensamento do que uma ação externa para a qual não estejamos preparados.

* Os pensamentos se ouvem, as ideias flutuam no ar, os sentimentos causam efeitos palpáveis. É a comunhão de bons pensamentos que sustenta o trabalho teosófico, e se o silêncio amigo sustenta e consolida os bons pensamentos, então este é o caminho correto. O desapego é nosso mestre. O mais importante é ouvir a voz sem palavras dos nossos corações e perceber a paz que ultrapassa o entendimento humano.

NOTA:

[1] Ver “Cartas dos Mahatmas”, Ed. Teosófica, Brasília, 2001, volume II, Carta 93-B, item 9, p. 128. Ali um Mestre escreve: “A cabeça de um homem, em uma condição de êxtase intenso, quando toda a eletricidade do seu sistema está centrada ao redor do cérebro, possui - especialmente na escuridão - uma semelhança perfeita com o Sol durante estes períodos.

000

O artigo acima foi publicado como texto independente em 18 de abril de 2018. Uma versão inicial dele está incluída de modo anônimo na edição de abril de 2015 de “O Teosofista”.

Embora o título “Ideias ao Longo do Caminho” corresponda ao título em língua inglesa “Thoughts Along the Road”, do mesmo autor, não há uma identidade exata entre os conteúdos das duas coletâneas de pensamentos.

000 

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:  


000

12 de abril de 2018

O Teosofista - Abril de 2018




Qual o papel do pensamento negativo na produção de problemas que afligem a humanidade? O texto que abre a edição de abril é “A Bênção Invisível: Quando a Boa Vontade Regenera o Tecido Social”.

À página três, vemos “O Centro do Universo”, segundo o escritor português Teixeira de Pascoaes.

É Preciso Colocar a Tecnologia a Serviço da Alma” está na página quatro, e “A Teosofia da Vida Material” na página cinco. À página seis, vemos a nota “Ativando o Que é Mais Elevado Na Aura de Um País”.

Estes são outros itens da edição:

* Ideias ao Longo do Caminho: fatores externos têm importância secundária na busca da felicidade;

* Ensinamentos de um Mahatma - 11, uma compilação das Cartas do Mestre de Helena Blavatsky;

* A Beleza do Estudo Teosófico, artigo de Emanuel Tadeu Machado; e

* Renovação e Perseverança, a nota curta que completa o “Teosofista” de abril.

A edição tem 17 páginas e inclui a lista dos itens publicados recentemente em nossos websites.



000

A coleção completa de “O Teosofista” está disponível em nossos websites associados.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto).


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:


000

10 de abril de 2018

Vídeo: O Pai Nosso do Iluminado

Uma Versão Universalista da Prece Clássica

Loja Independente de Teosofistas




Um vídeo de 4 minutos e 21 segundos. Clique para vê-lo:



000

Veja em nossos websites o texto completo que é a fonte deste vídeo: “O Pai Nosso da Filosofia Esotérica”.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000