31 de janeiro de 2013

Tecendo a Manhã

O Canto dos Galos Como Metáfora da Nova Era

João Cabral de Melo Neto



0000000000000000000000000000000000000

Nota Editorial:

“Uma andorinha só não faz o verão”,
diz o velho ditado. Embora não faça
o verão, ela pode anunciá-lo. De modo
semelhante,  abrir espaço para a nova era
de fraternidade universal exige pioneirismo,
mas não é uma tarefa solitária, e sim solidária.

(Carlos Cardoso Aveline)

000000000000000000000000000000000000000000


Um galo sozinho não tece uma manhã:
ele precisará sempre de outros galos.
De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de um outro galo
que apanhe o grito que um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzem
os fios de sol de seus gritos de galo,
para que a manhã, desde uma teia tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos.

2

E se encorpando em tela, entre todos,
se erguendo tenda, onde entrem todos,
se entretendendo para todos, no toldo
(a manhã) que plana livre de armação.
A manhã, toldo de um tecido tão aéreo
que, tecido, se eleva por si: luz balão.

000

O poema acima é reproduzido do volume “A Educação Pela Pedra”, de João Cabral de Melo Neto, Ed. Alfaguara / Objetiva, RJ, 292 pp., ver p. 219.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é este:   


000