12 de setembro de 2016

O Poder de Cura do Eucalipto

Algumas Árvores Estimulam o
Tipo Certo de Silêncio Meditativo

Carlos Cardoso Aveline



É possível ser amigo de outros seres, além dos seres humanos. O universo é uma comunidade viva. Constitui uma fraternidade infinita de seres biológicos e não-biológicos. 

Os pitagóricos ensinam sobre a “amizade universal” que nos une a estrelas e astros no céu. Francisco de Assis chamava de irmãos o sol, a lua, o vento, a terra, a água e o fogo. Olavo Bilac defendia a tese de que é possível ouvir as estrelas. E o mesmo ocorre com os animais, as pedras, e os vegetais.

Podemos sentir amizade por esta ou aquela árvore. Motivos não faltam. Pode ser porque ela nos dá sombra, ou porque comemos seus frutos. Talvez seja porque ela abriga pássaros que cantam  ou porque embeleza a paisagem.

Ocorre com frequência alguém ter uma amizade pessoal consciente com toda uma espécie de árvores. Os eucaliptos são um exemplo. Um bosque destas árvores provoca o tipo certo de silêncio meditativo e liberta de pressa a alma do observador.

O eucalipto acompanha desde a infância a vida de muitos cidadãos, uma geração após a outra. O diálogo do vento com suas folhas pode ser observado por todo o mundo. Considerado um vilão ecológico por alguns - devido a não ser nativo e absorver muita umidade do solo - o eucalipto deve ser plantado de preferência evitando-se a monocultura. Seu crescimento rápido fixa o carbono em forma de vida e combate o excesso de dióxido de carbono na atmosfera, preservando o equilíbrio planetário.

O eucalipto tem poderes de cura e influências sutis benéficas que nem sempre são percebidas. Em seu livro “O País das Montanhas Azuis”, Helena Blavatsky descreveu uma paisagem na Índia que considerava encantadora, definindo o eucalipto como um purificador do ar físico e da atmosfera sutil:

“…Hoje o pé [da] colina está rodeado por tríplice cerco de bosquezinhos de eucaliptos. Esses bosquezinhos devem sua existência aos primeiros plantadores europeus. Aquele que não conhece o admirável Eucalyptus globulus, originário da Austrália, cujo crescimento é mais vigoroso em três ou quatro anos que o de qualquer outra árvore em vinte anos, ignora o essencial encantamento dos jardins. Sendo um incomparável meio para purificar o ar de todos os miasmas, tais bosques tornam ainda mais saudável o clima de Nilguiri. Todos os indígenas que se aturdem com as carícias demasiado monótonas e ardentes da natureza hindu e também os representantes da Europa na presidência de Madras só têm uma impaciência: a de buscar a saúde e o repouso no seio desta Natureza, nas Montanhas Azuis; e estas nunca enganam. Ao sintetizar como um imenso ramo todos os climas, todas as flores, a zoologia e a ornitologia das cinco partes do mundo, o gênio dessas montanhas oferece seus tesouros, o nome de sua rainha, ao viajante fatigado…”. [1]

Nativo da Austrália, o eucalipto foi introduzido na Europa e nas Américas no século 19. É uma das árvores mais altas que se conhece, e constitui remédio tradicional dos aborígenes australianos. As suas folhas têm propriedades expectorantes, balsâmicas, antissépticas e broncodilatadoras. O eucalipto é indicado para a cura das vias respiratórias e combate a febre. É útil para os diabéticos, porque reduz a presença de glucose no sangue. [2]

No plano das emoções, a influência desta árvore tende a libertar a mente humana de pensamentos negativos e abre espaço para uma atitude construtiva de amor à vida.

Ao nível do espírito, estimula um silêncio em que surge a percepção da unidade mística com o todo. O uso do seu óleo essencial ajuda a tornar mais pura e elevada a atmosfera em que respiramos.

NOTAS:

[1] “O País das Montanhas Azuis”, de H.P. Blavatsky, Thot Livraria e Editora Esotérica, Brasília, 1989, 136 pp., p. 36.

[2] “Plantas que Curam”, Enciclopédia das Plantas Medicinais, PlanetaDeAgostini, impresso em Barcelona, Espanha, edição em português, dois volumes, ver volume um, pp. 304-305. Outra referência é “O Guia Completo das Plantas Medicinais”, de Penélope Ody, edição em português da Livraria Civilização Editora, Porto, Portugal, 240 pp., ver p. 60. A indicação sobre a utilidade do eucalipto para diabéticos está na obra “Remédios Naturais”, Círculo de Leitores, Portugal, 376 pp., 2008, p. 98.

000

Leia em nossos websites associados os textos “A Magia das Árvores” e “Os Aromas Espirituais”, de Carlos Cardoso Aveline.

000

O grupo SerAtento oferece um estudo regular da teosofia clássica e intercultural ensinada por Helena Blavatsky (foto). 


Para ingressar no SerAtento, visite a página do e-grupo em YahooGrupos e faça seu ingresso de lá mesmo. O link direto é o seguinte: 


000